terça-feira, 15 de novembro de 2016

2016: O ANO RAPIDINHO

Estava saindo hoje do almoço e em conversa com o proprietário chegamos à conclusão comum de que foi o ano do "rapidinho" ou ligeirinho". Na perspectiva dele as coisas e os problemas em abundância que vieram juntas delas começaram bem rapidinho em diversos aspectos. E na minha também. Foi tudo rapidinho este ano e aborrecidamente rapidinho. O ano começou e eu rapidinho já estava em um hospital, depois rapidinho estava em greve, quando eu vi rapidinho foi dado um golpe no Brasil, e agora rapidinho os governos federal, estadual e municipal querem ferrar com todos os trabalhadores e servidores - exceto os altos salários que continuam altos e os privilegiados das velhas cortes e casernas. A eleição foi rapidinha também e tudo aconteceu muito ligeirinho. Agora Donald Trump virou ligeiramente presidente dos EUA e vamos terminar o ano ligeirinho com poucas saudades. Os únicos que não tem sido rapidinhos são o povo para entender que tudo que aconteceu foi na verdade um golpe e golpes sempre precisam ser dados ligeirinho. Aliás, é exatamente esta a teoria do choque desta nova elite que quer continuar a governar o mundo e continuar se manter dominando e explorando as pessoas todo mal que deve ser feito ou que você deseja fazer deve ser feito rapidamente de tal modo que as vítimas ou seus alvos mal consigam se dar conta ou reagirem a isto.O problema deste rapidinho é que a gente vai demorar um pouquinho mais para se recuperar de tudo isto. Espero sinceramente que 2017 nos ajude a recuperar algo até 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário