terça-feira, 11 de novembro de 2014

TARSO GENRO E O NOVO CICLO DE TRANSIÇÃO

TARSO GENRO interpreta com muita clareza o cenário político e ao falar de um novo ciclo na transição brasileira acerta com precisão nos desafios que se impõe na agenda da esquerda e também da sociedade brasileira progressista e daqueles que acreditam em um pacto político para continuar superando e reduzindo as desigualdades sociais no Brasil. Considerando o cenário de crise econômica externa e a reação conservadora interna é por si só um grande desafio histórico passar por isto em recuos e sem retrocessos institucionais e civis.Tenho total acordo com a análise dele que é baseada em fatos e na nossa história. Muitos daqueles que dizem que o povo está cansado da política e cansado das promessas, não tem sequer algo para oferecer ou a capacidade de pensar neste cenário, não tiveram a responsabilidade de resistir antes e não tem, ainda assim, sequer uma proposta nova sem medidas recessivas ou fazendo concessões graves ao neoliberalismo e ao conservadorismo. A democracia não pode ser vilipendiada e é algo realmente incrível que no Brasil hoje caiba justamente a esquerda defendê-la, mesmo quando é derrotada eleitoralmente, como é o caso de Tarso aqui no RS. Só isso deveria fazer certas pessoas e cidadãos pensarem mais e melhor um pouco na seriedade das palavras, dos desafios e dos propósitos que estão em jogo.

LEIA: Fim-de-ciclo-e-memoria-da-Carta-aos-Brasileiros

P.S.:  
A questão de fundo aqui não é mais uma vez como pensa a direita e uma parte do esquerdismo sobre o  comunismo ou socialismo no Brasil,é se o Brasil vai ser mais justo e menos desigual....se ao povo brasileiro será dado o direito de controlar, fiscalizar e dirigir o estado de uma forma democrática e se o regime de distribuição da riqueza produzida socialmente reduzira as desigualdades e os privilégios e se haverá atendimento às demandas sociais justificadas e necessárias para o desenvolvimento deste país....

Nenhum comentário:

Postar um comentário