quarta-feira, 27 de março de 2013

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS


Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)
da  Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Preâmbulo
        
Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo,    

Considerando que o desprezo e o desrespeito pelos direitos humanos resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Humanidade e que o advento de um mundo em que os homens gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do homem comum,    

Considerando essencial que os direitos humanos sejam protegidos pelo Estado de Direito, para que o homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra tirania e a opressão,    

Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,   
Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor da pessoa humana e na igualdade de direitos dos homens e das mulheres, e que decidiram promover o progresso social e melhores condições de vida em uma liberdade mais ampla,    

Considerando que os Estados-Membros se comprometeram a desenvolver, em cooperação com as Nações Unidas, o respeito universal aos direitos humanos e liberdades fundamentais e a observância desses direitos e liberdades,    

Considerando que uma compreensão comum desses direitos e liberdades é da mais alta importância para o pleno cumprimento desse compromisso,   

A Assembléia  Geral proclama 

        A presente Declaração Universal dos Diretos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos, tanto entre os povos dos próprios Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.   

Artigo I

        Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão  e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.   
Artigo II

        Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua,  religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição. 

Artigo III

        Toda pessoa tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

Artigo IV

        Ninguém será mantido em escravidão ou servidão, a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as suas formas.   

Artigo V

        Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante.

Artigo VI

        Toda pessoa tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecida como pessoa perante a lei.   
Artigo  VII

        Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.   

Artigo VIII

        Toda pessoa tem direito a receber dos tributos nacionais competentes remédio efetivo para os atos que violem  os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.   

Artigo IX

        Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.   

Artigo X

        Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.   

Artigo XI

        1. Toda pessoa acusada de um ato delituoso tem o direito de ser presumida inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.    

        2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Tampouco será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.


Artigo XII

        Ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar ou na sua correspondência, nem a ataques à sua honra e reputação. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.

Artigo XIII

        1. Toda pessoa tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado.    
        2. Toda pessoa tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.

Artigo XIV

        1.Toda pessoa, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros países.    

        2. Este direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

Artigo XV

        1. Toda pessoa tem direito a uma nacionalidade.    
        2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de nacionalidade.


Artigo XVI
        1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça, nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família. Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução.    
        2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos nubentes.

Artigo XVII

        1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.  
        2.Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

Artigo XVIII

        Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

Artigo XIX

        Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Artigo XX

        1. Toda pessoa tem direito à  liberdade de reunião e associação pacíficas.  
        2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.

Artigo XXI

        1. Toda pessoa tem o direito de tomar parte no governo de seu país, diretamente ou por intermédio de representantes livremente escolhidos.    
        2. Toda pessoa tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.   
        3. A vontade do povo será a base  da autoridade do governo; esta vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo  equivalente que assegure a liberdade de voto.


Artigo XXII

        Toda pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social e à realização, pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento da sua personalidade.

Artigo XXIII

        1.Toda pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e à proteção contra o desemprego.    

        2. Toda pessoa, sem qualquer distinção, tem direito a igual remuneração por igual trabalho.    
        3. Toda pessoa que trabalhe tem direito a uma remuneração justa e satisfatória, que lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível com a dignidade humana, e a que se acrescentarão, se necessário, outros meios de proteção social.    
        4. Toda pessoa tem direito a organizar sindicatos e neles ingressar para proteção de seus interesses.


Artigo XXIV

        Toda pessoa tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável das horas de trabalho e férias periódicas remuneradas.

Artigo XXV

        1. Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.    

        2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as crianças nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozarão da mesma proteção social.


Artigo XXVI

        1. Toda pessoa tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.    

        2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.    
        3. Os pais têm prioridade de direito n escolha do gênero de instrução que será ministrada a seus filhos.


Artigo XXVII

       1. Toda pessoa tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do processo científico e de seus benefícios.    

        2. Toda pessoa tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor.


Artigo XVIII

        Toda pessoa tem direito a uma ordem social e internacional em que os direitos e  liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente realizados.

Artigo XXIV

        1. Toda pessoa tem deveres para com a comunidade, em que o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.    

        2. No exercício de seus direitos e liberdades, toda pessoa estará sujeita apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outrem e de satisfazer às justas exigências da moral, da ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.    
        3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos propósitos e princípios das Nações Unidas.


Artigo XXX

        Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar qualquer ato destinado à destruição  de quaisquer dos direitos e liberdades aqui estabelecidos.

terça-feira, 26 de março de 2013

APROVAÇÃO AUTOMÁTICA OU FORÇADA? FALA SÉRIO

Sobre a aprovação automática, forçada ou induzida de alunos sem aproveitamento e frequência tem numa charge que mostra alguém da SEDUC - tipo rainha, pressionando com a ponta de sua espada uma professora que argumenta que não pode aprovar assim, desta forma, estes alunos. Posso dizer o que segue e um pouco mais sobre a charge e sobre a situação geral da coisa. Me desculpe  a agressividade, mas tem sido muito absurda a sensação que se tem do outro lado na escola quando se defronta com medidas como estas e com propostas de rever as coisas pelos índices e motivos mal apresentados e avaliados.

Se você não entende o que eu te digo. Se você insiste em me fazer ir contra os fatos. E ir contra os fatos aqui é ir contra tudo que eu sei com meus colegas sobre o aproveitamento de certos alunos e a impossibilidade de fazê-los progredir sem fechar os olhos para as mínimas exigências de aprendizagem. Como vou falar com você sobre isto? 

Às vezes as posições são invertidas entre nós. Como no exemplo da charge usada, as pessoas deveriam pensar mais e refletir mais sobre suas posições e sobre quem realmente está subindo na prancha dessa nau, numa situação como esta. 

Já faz um bom tempo que não tenho mais barriga para iluminados, aristocratas e qualquer tipo de perspectiva elitista na educação e aliás foi muito por isto que virei um educador e também superei minhas limitações de aprendizagem com muito esforço e fazendo mais uma vez e de novo a tarefa, não desistindo ou pedindo tolerância.

Então saia dai onde você pode estar agora - graças a minha luta e ao meu trabalho - e venha fazer com a gente. Não se sinta ofendido comigo. Volta para a escola, volta para a sala de aula, volta para o chão da vida com a gente.

Abandona os gabinetes, delegações, representações, liberações, mandatos, direções, coordenações, supervisões e outras funções que depois a gente conversa sobre isto e mais coisas. E mesmo que estas tuas temporadas tenham recém começado, venha com a gente. Abandona também o sindicato. a biblioteca ou a direção de escola. Venha para sala de aula, precisamos de você Venha ser professor comigo e com meus colegas.

Garanto que você vai ser um professor e uma professora muito melhores e a educação vai melhorar muito com a tua participação efetiva....ou como diz uma menina muito querida que começou agora na educação: pula no play de novo, que você vai aprender a jogar este jogo que você esqueceu como se joga.

Considero muito importante aumentar os índices de aprovação sim.

Vou começar com as dificuldades da minha escola que superadas podem nos ajudar e muito. Com mais segurança nas escolas com ronda da Brigada Militar e Polícia Civil permanente e ostensiva. Com redução da evasão via instituição de políticas que incentivem os jovens a ficarem e frequentarem a escola apesar do mundo do trabalho e que não dependam da adoção de medidas exclusivamente no ambiente escolar.

Como se a educação fosse responsabilidade só das escolas e dos professores é uma expressão que deve ser superada também, mas para isso a educação terá que ser encarada também como responsabilidade das empresas e de todas as outras instituições sociais.

É preciso - aqui no nosso caso no Olindo Flores - garantir o transporte público transversal e nos horários necessários para os alunos da região norte de São Leopoldo, entre os bairros Campina, Antonio Leite, Parque Campestre, Arroio da Manteiga, Vila Baum, Parque Sinuelo, Scharlau, Santos Dumont, Bom Fim, Vila Brás, Rio dos Sinos. 

E é preciso também medidas de apoio e reforço nas equipes de monitoria para os laboratórios de informática e para a escola em geral....não conheço nenhuma escola que funciona sem portaria, não conheço nenhuma escola cujo laboratório de informática funciona sem alguma forma de liberação ou contratação de profissional para fazer isso.

É claro que é importante elevar os índices de aprovação pois isso é um indicador de resultado do processo escolar. Mas as medidas devem ser mais pensadas e mais sérias, porque o maior problema na educação hoje é a evasão e o abandono e isso não está mesmo relacionado com a qualidade do trabalho do professor em sala de aula ou com seu modelo de avaliação. E ainda que possamos tratar disto sim, tratar da qualidade das minhas aulas e do meu método de avaliação, também precisamos tratar da qualidade da gestão e dos métodos de gestão usados

A causa verdadeira desta evasãoe abandono sequer é tocada e não está sendo discutida e tratada. 

domingo, 24 de março de 2013

A BOA LÓGICA DE KANT E O FILOSOFAR

..às voltas com a boa Lógica de Kant....muita gente cita o "Não se ensina a filosofia, mas a filosofar." de Kant pensando numa possibilidade de ficar fazendo peripécias e exercícios retóricos e reflexivos ao vivo e  a cores...seria mais recomendável ler o contexto em que ele fala deste filosofar e se perceber que não somente a história sistemática da filosofia deveria ser levada em consideração, mas no caso de Kant também a organização sistemática das disciplinas filosóficas para não redundar simplesmente em mais confusão e numa coleção maior ainda de ensaios, erros e riscos que podem ser evitados...aqui....como em muitos outros casos a pitada aquela de honestidade e bons testemunhos poderia ajudar muito mais do que a vã tentativa de fazer mágicas  e receber aplausos...ó...

QUANDO EU DISSER QUE ALGUÉM EXPRESSA UMA OPINIÃO PRÉ-CRITICA OU ALGO REPRESENTA ISTO: ENTENDA ASSIM...

IMMANUEL KANT "Só a crítica pode cortar pela raiz o materialismo, o fatalismo, o ateísmo, a incredulidade dos espíritos fortes, o fanatismo e a superstição, que se podem tornar nocivos a todos e, por último, também o idealismo e o cepticismo, que são sobretudo perigosos para as escolas e dificilmente se propagam no público." KrV, B, XXXIV.

SÃO LEOPOLDO EM DEMOLIÇÃO II: O EMBRAGO DA DEMOLIÇÃO DO PRÉDIO DA RUA INDEPENDÊNCIA 314/316


Primeiro dar meus parabéns ao Compac e seus membros atuantes que conseguiram impedir a demolição dos restos desta casa da Rua Independência, número 314/316 – onde era até pouco tempo atrás a Relojoaria Passini, ao lado da Tabacaria do Cândido, e onde já foi um dia a oficina elétrica onde meu pai atendia (meados dos anos 70), e também a casa das meias e o PV-Sinos também teve sua sede lá. Isto foi possível graças a primeira atitude célere do Ministério Público e de um Juiz em relação a esta causa do Patrimônio Histórico em São Leopoldo de que tenho notícia. Portanto, é algo muito simbólico e importante entre outras coisas.

Espero que se revertam as barbaridades à caminho e que já eram peticionadas antes do governo Ary Vanazzi se encerrar. Espero que o Compac seja mais respeitado por toda esta nova administração municipal também, haja visto que o início do ano foi marcado praticamente pelo enxotamento deste importante conselho do prédio da Prefeitura Velha, impedindo o mesmo de se reunir neste espaço público. Iniciativa tomada pela Procuradora Municipal provocada pelo Secretário Geral. Isto que marcou um dos primeiros atos de desrespeito à sociedade civil e a entidades devidamente credenciadas por parte da nova administração.

Espero também que esta valorosa categoria profissional dos Arquitetos e Engenheiros se proponham a começar a discutir a defesa do patrimônio histórico de São Leopoldo, através de medidas de preservação, restauração e valorização da estética do imóveis históricos da cidade. Seria ótimo que este segmento decisivo na cidade tivesse posição condizente com sua formação e seus conhecimentos. É importante considerar isto como uma forma de retribuição a esta cidade que abriga a universidade onde a maior parte destes profissionais obteve sua s formação e também porque nenhum projeto ou serviço de demolição, reforma ou ampliação ou restauração é apresentado no município sem um arquiteto/engenheiro responsável e a respectiva ART.

Tenho orgulho, por exemplo, de ver a Universidade onde obtive formação - UFRGS - investindo em patrimônio histórico com apoio dos alunos, professores, ex-alunos e de toda a comunidade interessada. Lá trata-se de um projeto que se iniciou de forma decisiva no início dos anos 90 e que já dá muitos frutos em preservação, conhecimento e desenvolvimento de técnicas e conceitos para todos. E para se ver o resultado disso, recomendo um tour àquela universidade.

Lamento profundamente que em minha cidade natal onde a história deveria e poderia ser muito mais valorizada e preservada, a ganância de herdeiros desesperados e incapazes de sobreviver sem dilapidar suas heranças, negan-se simplesmente a possibilidade de atuar para preservar suas heranças e patrimônios históricos e optam pela demolição dos imóveis que dão testemunho de uma história magnífica que por eles é profundamente desconhecida. E lamento também que quase toda uma geração de engenheiros e arquitetos compactue com isso produzindo projetos que adulteram a história, zeram o que há de significativo nesta cidade e façam obras que ao mesmo tempo erguem prédios cuja arquitetura tem expressão nula do ponto de vista criativo e construtivo. Vejo lojas esqueletos de dois pisos serem erguidas com sistemas pré-montados, ali onde haviam casas com identidade própria e história. Não vejo nenhuma solução de preservação, salvo raríssimas exceções, e de restauração em lugar algum. E tudo se passa numa lógica subjetiva confessada em quase todos os debates como se o único sujeito responsável pela preservação é o poder executivo. Como se só coubesse a ele restaurar prédios históricos. Assisto o jogo de Empurra do prédio da Câmara de Vereadores que requer mais cuidados e investimentos em preservação e restauração e também testemunhei argumentações das cabeças de planilha levantando a hipótese de derrubada do Castelinho para desobstruir o fluxo na avenida Dom João Becker. Se estes gênios do planejamento urbano se dedicarem somente na viabilização da abertura da Avenida Tomas Edison e na construção da quinta ponte já vão promover a desobstrução do trânsito e seria razoável também abrir os eixos de transporte público norte/sul e sul/norte para outras vias além da Saldanha da Gama e da Bento Gonçalves. Eliminado assim o X da Dom João Becker que é causado pelo resistente tráfego de interesses por estas vias.

E é muito claro que este problema é político, mas não é só político. As pessoas que fazem isto tem relações econômicas e projetos econômicos absolutamente gananciosos e completamente desinteressados em relação a qualidade de vida da cidade. Assim como também vejo aqueles que deveriam defender os interesses públicos, da cultura, da história e do respeito a memória fazendo vistas grossas e permitindo que os interesses exclusivamente privados e econômicos tenham supremacia.

Um Monumento em homenagem a esta mentalidade é o que aconteceu com o prédio na esquina das ruas Oswaldo Aranha e Saldanha da Gama. O que é aquela Casa da Central? uma absurda demonstração de que um lugar de garagem para dois ônibus, vale mais do que um prédio histórico, com fachada original. E alguns acham que não adianta lutar? Penso que adianta sim.

Nem que seja para dar testemunho e registrar na memória de amigos e amigas isto que acontece de tal modo que na próxima possibilidade de se reverter este quadro, se consiga finalmente optar pela nossa cidade e não por alguns poucos janotas e exterminadores do passado. São Leopoldo, a terra talvez mais pisada deste estado vai assim perdendo suas história, assim, sem cerimônia, sem nenhuma consideração, apesar da vitória parcial no prédio da Rua Independência.

A lei referida na matéria do jornal VS foi concluída em 2012 com base em estudo da Unisinos – o Revita II, que parte de um conjunto de posições do Conselho de Patrimônio Histórico desde sua primeira versão de meados dos anos 80 - com o Prof. Telmo Lauro Muller e outros, e também é elaborada a partir da Lista do Gaplan de 1991 (se não me engano a data). Esta lei tem também as contribuições e ampla participação de todos os membros do atual Conselho de Patrimônio Histórico e também do Conselho do Plano Diretor Municipal, no qual o atual Secretário Geral tinha assento como representante da Acis e do segmento empresarial. Este participou, inclusive, com representantes de arquitetos e engenheiros, empreendedores imobiliários e de entidades da sociedade civil organizada, da apreciação, revisão e discussão do projeto de lei integral. só para auxiliar no esclarecimento...e além disso o prédio é situado também em sítio histórico de projeto encaminhado ao IPHAE. Assim, é importante dizer que em todas as iniciativas tomadas entre 2005 e 2012 houve ampla e democrática participação do COMPAC, que sempre funcionou em sua plenitude respeitando seu regi mento e a legislação vigente.

Mas mesmo assim, há uma cultura persistente em São Leopoldo de demandar judicialmente contra o patrimônio histórico.

Curiosamente esta cultura é promovida por aqueles que enriqueceram em São Leopoldo na condição de imigrantes que adquiriram seus diplomas universitários aqui, e repito com o apanágio de herdeiros de cidadãos cuja história, valor cultural, contribuição econômica e política é desconhecida e desvalorizada pelos seus próprios herdeiros. Mas esta é uma luta que pode trazer ainda bons frutos econômicos (turismo e qualidade de vida) e políticos porque se pode separar e dividir o joio do trigo nesta cidade também a partir deste debate.

MANDAMENTOS DE PROFESSOR E PROFESSORA DOMINICAIS


Bom Dia...chimarrão e algumas tarefas de professor sobre a mesa me olhando e prontas para seguir minhas reações e mandamentos...as vezes penso que deveríamos fazer algo como os dez mandamentos para os professores e professoras...sem é claro precisarmos ir tão longe como em uma montanha e nem precisar procurar sarças ardentes...ou aguardar que as tempestades recaiam sobre nossas vidas...sei que haveria muita discussão e controvérsia sobre quais são estes mandamentos...e muitos acusariam determinadas teses de serem moralistas ou prejudicarem a orientação desejada ao trabalho....mas neste exato momento estou com somente dois mandamentos me batucando aos neurônios desde que tomei conhecimento de certos episódios, iniciativas e atitudes que para mim não são outra coisa do que resultados de decisões e de um certo tipo de caráter mesmo...

1. MEU QUERIDO PROFESSOR E PROFESSORA SEJA ABSOLUTAMENTE HONESTO;

2. JAMAIS DÊ FALSO TESTEMUNHO SOBRE OUTRÉM;

se não é pedir demais...é claro...e que cada um consulte sua própria consciência....

sob pena de explodirmos o sentido desta nossa importante e civilizadora tarefa...

sábado, 23 de março de 2013

BALANÇO DA SEMANA: OPINIÕES E CERTAS COISAS

Bom Dia...meu trabalho anda tão intenso que mal consigo passar por aqui para comentar certas coisas e acontecimentos que em outros momentos teria mais opinião e tentaria construir juízos...bem opinião e juízos já são abundantes por aqui mesmo...e boa parte das coisas que eu gostaria de comentar já foram devidamente comentadas com uma exceção somente...


o CASO DO INCÊNDIO DA BOATE KISS...porque em relação à isso que não é uma questão de gosto ou de juízo moral, nem de impressão ou filosofês, quero elogiar a rigorosa e exemplar apuração dos fatos e das responsabilidades pela força-tarefa da Polícia Civil...independentemente da opinião ou preferência política de um ou de outro estão ali todas as responsabilidades...e que agora a JUSTIÇA cumpra sua missão constitucional e dê andamento ao processo...TRAGÉDIAS como esta são inadmissíveis porque são fruto da imperícia, ganância e leniência de servidores públicos e de empreendedores.

o ATO DE RACISMO NA CÂMARA DE VEREADORES DE SÃO LEOPOLDO É PARA MIM BEM MAIS GRAVE DO QUE PARECE, porque mostra o aparecimento de certos protagonistas na política local que haviam sido afastados e que estavam em silêncio...volta ao cenário o velho reacionarismo, as práticas de preconceito e discriminação e é bom que se frise que este não é o primeiro ato racista deste ano protagonizado pelos NOVOS AGENTES POLÍTICOS...

escrevi sobre SÃO LEOPOLDO EM DEMOLIÇÃO...esta semana...inclua-se nisto a completa incapacidade de alguns de olharem para o presente e o futuro da cidade...e também os diversos subterfúgios e manobras para não fazerem aquilo que precisa ser feito...e é uma lista grande, cuja justificativa para não fazer não é somente econômica ou relacionada a dívida municipal...

mas é efetivamente uma nova fase para mim, entender que as pessoas não precisam ser persuadidas de certas coisas que ou elas descobrem por si ou continuarão imersas em seus sonos dogmáticos e suas posições confortáveis, corporativas e que defendem somente sua própria perspectiva das coisas...

ainda assim, conhecer é perceber diferenças...e as coisas são diferentes, as pessoas são diferentes, as coisas mudam e as pessoas mudam, mas isso só acontece com alguma forma de ampliação de horizontes e aumento da compreensão...

minha amiga e cantora Midiam Almeida postou um texto de posicionamento muito interessante sobre a mistura entre RELIGIÃO E POLÍTICA...em que eu concordo muito também...e anoto que a única consequência da mistura entre religião e política que eu realmente temo é basicamente oriunda do fato de que boa parte destes novos agentes políticos acreditam que somente eles são portadores de uma VERDADE e eles dizem isto calaramente quando afirmam que quem não está com eles, não está com Deus e é contra eles....sim...querem dizer com isto que são incontestáveis, incorrigíveis e não podem ser contraditos....bem na democracia isso não pode ser aceito como posição de princípio e quando isto aparece no debate não há mais debate, nem mais a possibilidade de diálogo, compreensão ou entendimento...ou ainda o que chamo de DESENTENDIMENTO COM CLAREZA...ontem na aula de filosofia e de sociologia - no momento histórico da aula - tive que reconstruir o ESTADO TEOCRÁTICO do Antigo Egito, e é muito difícil não compreender de que os NOVOS FARAÓS só não dizem que são deuses, mas julgam estar em situação privilegiada em relação a ele e supor com muito mais frequência do que imaginamos que tudo que se passa na cachola deles é o bem comum, o certo e o verdadeiro, quando mais examinado encontramos somente o interesse particular, o equívoco e o erro, e mais o falso e enganador pensamento...

os ingleses usam a divisa GOD SAVE THE QUEEM - Deus Salve a Rainha, bem - existem versões mais modernas disto - nós aqui no Brasil poderíamos começar a dizer GOD SAVE THE POLITICS - Deus salve a política, porque do jeito que andam as coisas a instância final da política vai acabar virando ELE...e quem quer isto não imagina o quão difícil será decidir quem realmente está falando com ele...claro que estes mesmo pensam que isto nãos erá objeto de decisão nossa, mas sim deles, exclusivamente deles...está na hora de termos uma atitude mais rigorosa em relação a isso...antes que seja tarde...

por fim, não estou tentando persuadir ninguém de coisa alguma..esta é somente minha opinião frágil e sincera, mas preocupada e completamente dependente de vossa compreensão e juízo...

meu pai dizia que era melhor jogar só uma pedrinha do que ficar dando tijolaço para sensibilizar as pessoas...bom final de semana...

quarta-feira, 20 de março de 2013

OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS: EDIÇÃO 2013 CORRIGIDA E ATUALIZADA


OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS

1. Tales de Mileto - 624-545 a.C. – acme em 28 de maio 585 a.C., com a previsão do eclipse solar – o primeiro filósofo da physis - o inventor do logos - arché é a água - há deuses em todas as coisas - a terra flutua sobre a água - participou da vida política e militar da sua cidade - solução de diversos problemas geométricos – viajou para o Egito – desenvolveu uma teoria para explicar as inundações do Nilo - Aristóteles o considera fundador da filosofia;

2. Anaximandro de Mileto - 610-546 a.C. - arché é o Ilimitado - discípulo e sucessor de Tales - dado que todas as coisas são geradas, limitadas e corruptíveis - a harmonia entre o Ilimitado (Apeiron) e os Limitados (peiras) é a Justiça - o real não tem origem num particular - o limitado não é a origem das coisas;

3. Anaxímenes de Mileto - 588-524 a.C. - arché é o ar - o ar é um elemento vivo - o ar constitui as coisas através da rarefação e da condensação - a condensação nos leva até a pedra, a rarefação até o ar - uma condensação progressiva leva ao vento, às nuvens, à água, a terra e finalmente à pedra - a lua recebe sua luz do sol;

4. Xenófanes de Colofão - 570-475 a.C. - o arché é a terra - contra o antropomorfismo dos deuses - só há um Deus - da terra e da água é gerado o homem - Deus é um, não gerado, eterno, imutável, imóvel - Deus é puro pensamento (nous);

5. Heráclito de Efeso - 535-475 a.C. -  acmé entre 504 e 500 a.C.- arché é o fogo ¬ abdicou aos direitos de participar do governo - oposição a Xenófanes - uma unidade fundamental de todas as coisas - o movimento é a luta entre os contrários - o cosmos é combate harmonioso entre os opostos - há movimento - há mudança - não se põe o pé duas vezes no mesmo rio - o ser e o vir a ser - a sabedoria humana pode ligar-se ao logos - o logos é a inteligência divina que governa o real - o Sol tem a largura de um pé humano - os sentidos enganam - as coisas mudam;

6. Parmênides de Eléia - 530-460 a.C. - arché é o éter - o ser é um - tudo é um - pós-pitagórico - a unidade formal - distinguir a verdade da opinião - o caminho da noite e o caminho do dia - fora do ser o não-ser nada é - o ser e o nada - pensar e ser é o mesmo - dois caminhos de investigação o do ser e o do não ser - o caminho do ser é o caminho da certeza e conduz à verdade - o caminho do não ser é imperscrutável - deve-se pensar o ser - definir o ser é encontrar a medida do pensar - “o congelamento”;

7. Zenão de Eléia - 490-430 a.C. - acmé entre 464/461 a.C. - tudo é um - é impossível demonstrar a multiplicidade das coisas - discípulo de Parmênides e defensor de sua doutrina - conspirou contra um tirano e foi morto - espírito polêmico - introduz o método da refutação indireta das teses dos seus adversários - isso se faz admitindo o que o adversário afirma e mostrando que isso leva à contradições - o resultado é a anulação da tese - esse recurso é designado também de redução ao absurdo - Aristóteles o considera fundador da dialética;

8. Pitágoras de Samos - 570-495 a. C. - acmé em 530 a.C. – o primeiro a usar o epíteto Filósofo para significar o que ele era ou fazia – diz-se filósofo não sábio, porque buscava a sabedoria -  o número é a medida de todas as coisas - Esoterismo - Ascetismo - doutrina da transmigração das almas - a Harmonia do mundo - a medida do número é o primeiro princípio - o número ( a medida) é a causa da relação em harmonia das coisas;

9. Alcméon de Cróton - acmé início sec. V a.C. - discípulo de Pitágoras - a imortalidade da alma - médico - usa a tábua dos contrários de Pitágoras - examina os corpos vivos - pois das coisas divinas e das coisas mortais só os deuses tem um conhecimento certo, aos homens é permitido apenas conjecturar - os homens distinguem-se dos demais seres ( como os animais) porque, além de perceber, compreendem - construção de hipóteses e conjecturas - enfrenta o problema dos enganos dos sentidos e da percepção - podemos abordar a multiplicidade das coisas separando-as em pares - os homens morrem porque não conseguem unir o princípio ao fim;

10. Melisso de Samos - acmé em 441 a.C. – da Escola Eleata - filósofo e político - é o comandante que derrota a esquadra ateniense - também polêmico e defensor de Parmênides - o todo é imóvel - não há movimento - o ser e o nada - o um é o eterno e o ilimitado - o vazio é o não ser - não há vir a ser - o que é sempre é - a unidade material - nada que tem princípio é eterno ou infinito;

11. Empédocles de Agrigento - 490-435 a.C. - acmé em 450 a.C. - influenciado pelos eleatas e os pitagóricos - duas forças na natureza: amor e ódio - há quatro elementos originais: água, terra, fogo e ar - há geração e corrupção entre os seres - defensor da democracia;

12. Filolau de Cróton - acmé ao final do séc. V - defensor da tirania - escreveu um livro sobre a doutrina pitagórica que foi lido por Platão - a natureza é ordenada no cosmos com elementos limitados e ilimitados, sem o número nada pode ser concebido ou conhecido;

13. Arquitas de Tarento - 428-347 a.C. - trouxe grandes desenvolvimentos à Matemática, Mecânica e Música - a Aritmética é predominante em relação às outras ciências - ali aonde a Geometria falha, a Aritmética apresenta demonstrações - a Aritmética expõe as formas, é a ciência das formas;

14. Anaxágoras de Clazômenas - 500-428 a.C. - o arché é o Nous - viveu trinta anos em Atenas - é fundador da primeira escola filosófica de Atenas - físico, matemático e astrônomo - descobertas astronômicas diversas - por negar a divindade do sol e da lua é acusado na Ágora de impiedade com os deuses - foge então com o auxílio de Péricles seu protetor e discípulo - era conhecido pelo seu desprendimento frente ao mundo - os princípios são infinitos - a multiplicidade é ilimitada - o ilimitado, entretanto, não pode ser representado - em cada coisa há uma porção de cada coisa - o espírito (Nous) é ilimitado e autônomo - o Nous é a inteligência universal que tem a verdade - o Nous ao contrário das coisas não é limitado por nada;

15. Diógenes de Apolônia - segunda metade do século V a.C. - arché é o ar - um elemento ilimitado e há mundos ilimitados e o vazio ilimitado - a terra é esférica - contemporâneo de Anaxágoras - procura explicar a multiplicidade das coisas - explica isso através daquilo que é chamado de ar pelos homens - é o Deus que atinge tudo, dispõe de tudo e está em tudo - deve-se partir no discurso do que é incontestável - todas as coisas são a mesma coisa - essa mesma coisa se diferencia nas coisas - os homens e os outros seres vivem da respiração do ar - o ar é para eles a alma e a inteligência - uma coisa não participa dele da mesma forma que as outras coisas -o ar é imóvel e é dele que nasce cada coisa, por condensação, rarefação ou mudança de estado - faz também uma teoria fisiológica relativa à circulação do sangue;

16. Leucipo de Abdera - cerca 500 a.C. - acmé 430 a.C. - contemporâneo de Anaxágoras, dos Sofistas e de Sócrates - é considerado por Aristóteles o criador da doutrina dos átomos - nada deriva do acaso, mas tudo de uma razão e sob a necessidade - todas as coisas são ilimitadas e se transformam umas nas outras - o universo é ilimitado com uma parte cheia e a outra vazia - os átomos são os seus elementos - há nascimento do mundo, mas também perecimento e ruína - o movimento é eterno -os átomos movem-se chocando-se mutuamente e rechaçando-se uns aos outros - a alma é feita de fogo - a percepção e o pensamento são modificações do corpo -;

17. Demócrito de Abdera - cerca de 460-370 a.C. - bastante viajado - discípulo e sucessor de Leucipo - é conhecido pela sua fecundidade (aprox. 90 obras ) e largo sorriso - sistematizou a doutrina Atomista - a realidade é composta de átomos e de vazio - a combinação dos átomos, que são infinitos em número e imperceptivelmente pequenos, explica os fenômenos - com átomos se pode explicar também a percepção e o conhecimento - escreve também sobre ética, política e educação.

OS FILÓSOFOS PRÉ-SOCRÁTICOS. Org. Gerd Bornheim. 5a. ed. São Paulo: Cultrix, 1985.
OS PRÉ-SOCRÁTICOS. In: OS PENSADORES. Vol. 1, 1a. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

Professor Daniel Adams Boeira
Filosofia
Escola Estadual de Ensino Médio Olindo Flores da Silva
São Leopoldo – Rio Grande do Sul
2013 (elaborado sobre o exemplar de 1997)


SÃO LEOPOLDO E SUA IDENTIDADE: UMA ECONOMIA DOMINANTE DE SERVIÇOS DE ÂMBITO REGIONAL

Tendo a discordar de um discurso que fala em perda de identidade em São Leopoldo devido ao progresso ou a perda de um passado ou dos bons tempos ou de uma malvada e perversa decadência da cidade. Em alguns aspectos este discurso é um saudosismo sem memória e sem conhecimento algum, apesar de ser expresso por nativos e por pessoas que olham para a história só vendo sua dimensão aparente e não estrutural. 

Não creio que se trata ai de perda de identidade e penso, inclusive, que isto é uma incompreensão histórica da cidade também sobre as suas raízes. Tendo a dizer que deveríamos estudar mais elas para compreender porque a cidade tem esta diversidade e este permanente ar de choque cultural e de etnias. Isso porque estas identidades locais não são exclusivamente alemãs ou portuguesas. E quando se olha mais de perto a história da cidade, se visitam os seus cemitérios, se investigam seus jornais e revistas e muitos testemunhos, não vemos uma pureza de identidade, mas uma demonstração de uma grande diversidade étnica que aqui e ali se apresenta. Apesar de que devem ser reconhecidos os troncos majoritários e visto que eles são de afrodescendentes, portugueses e alemães, nesta ordem, é possível cindi-los em sub-troncos (e. gr. pelo viés religioso católicos e luteranos, cristãos novos, maçons, anglicanos, judeus e muitos outros) e ainda mais encontrar outras personagens e etnias para além destas três. 

Não é sem razão que nos últimos exemplares do jornal VS vemos migrantes de diversas etnias que labutaram para a formação da cidade dando nomes a diversas ruas.

Sobre o mercado lojista da Rua Grande estas mudanças que hoje se vem, de desaparecimento de grandes lojas tradicionais da cidade, também são aceitáveis haja visto que um dia mesmo, no passado, todas estas grandes lojas tradicionais que sucumbiram foram também pequenos estabelecimentos e empórios em um tempo atrás..

São Leopoldo é uma cidade cujo setor econômico dominante é a área de serviços - praticamente 70% e estável, mesmo com todos os diferentes ciclos e modalidades de industrialização que já viveu, mas não é uma cidade pobre. 

Esta cidade atrai migrantes ainda hoje e desde tempo antigos - seculo XIX e XX é referência regional estável e em nada prejudicada, seja por emancipações ou crises econômicas e políticas. 

O detalhe notável para mim aqui é que ela expressa tudo isto com mais nitidez do que muitas outras cidades e é mais visível também, justamente, pelo seu mercado dominante ser o de serviços que envolve uma dinâmica externa maior e mais intensa ao mobilizar um grande número de pessoas em seu passeio público.

Se você por curiosidade ou por método resolver entrevistar as pessoas na Rua Grande vai descobrir que elas estão em trânsito, mas trabalhando.  

E isto é uma afirmação bem forte, que é sintoma do tipo de economia desta cidade e não de outras..

E sempre foi assim, desde o longevo período em que a cidade era o centro das colonias alemãs e durante algum tempo também italianas da encosta da serra.

Falo disso com um misto de depoimento pessoal e de observação pelo fato de conhecer parte deste trânsito econômico e do mercado das trocas e serviços a partir de um local onde labutei durante quase dez anos, a Rodoviária Municipal.

terça-feira, 19 de março de 2013

HISTÓRIA POLÍTICA DE SÃO LEOPOLDO: FRANK CAPRA' S MOVIES

Para os especialistas e demais interessados em politicagem, política, história política e todos os enredos possíveis de São Leopoldo recomendo a seguinte lista de filmes de Frank Capra - ou Frank Capra' S Movies - usem, não exatamente nesta ordem, com parcimônia:


Pocketful of Miracles
 (1961) (Dama por um dia)

A Hole in the Head (1959) (Os viúvos também sonham)

Here Comes the Groom (1951) (Órfãos da tempestade)

Riding High (1950) (Nada além de um desejo)

State of the Union (1948) (Sua esposa e o mundo)

It's a Wonderful Life (1946) (A felicidade não se compra)

Arsenic and Old Lace (1944) (Este mundo é um hospício)

Meet John Doe (1941) (Adorável vagabundo, Um João-Ninguém)

Mr. Smith Goes to Washington (1939) (A mulher faz o homem, Peço a palavra)

You Can't Take It with You (1938) (Do mundo nada se leva, Da vida nada se leva)

Lost Horizon (1937) (Horizonte perdido)

Mr. Deeds Goes to Town (1936) (O galante Mr. Deeds)

Broadway Bill (1934) (A vitória será tua)

It Happened One Night (1934) (Aconteceu naquela noite)

The Bitter Tea of General Yen' (1933) O último chá do general Yen, A grande muralha)

American Madness (1932) (Loucura americana)

Forbidden (1932) (Mulher proibida)

Platinum Blonde (1931) (Loira e sedutora)

The Miracle Woman (1931) (A mulher milagrosa)|

Dirigible (1931) (Dirigível)

Rain or Shine (1930) (Chuva ou sol, Faça chuva ou faça sol)

Ladies of Leisure (1930) (A flor dos seus sonhos, Damas ociosas)

Flight (1929) (Nas asas do coração)

The Donovan Affair (1929) (Na trama das paixões)

The Younger Generation (1929) (As duas gerações)

The Burglar (1928) (Ladrão de Mansões)

The Power of the Press (1928) (Mocidade audaciosa, O Poder da Imprensa)

Submarine (1928) (Submarino)

Say It with Sables (1928) (O que a lei não castiga, Onde a lei não alcança)

The Way of the Strong (1928) (Os predestinados)

The Matinee Idol (1928) (Esta vida é uma canção, O ídolo das matinés)

So This Is Love? (1928) (Defende o teu amor, Somente o seu amor?)

That Certain Thing (1928) (O meu segredo, Uma certa coisa, Um certo motivo)

For the Love of Mike (1927) (O filho da fortuna)

Long Pants (1927) (Pinto Calçudo)

The Strong Man (1926) (O homem forte)

Por fim, não me chamem de mal humorado e que não me venham acusar de não ter esportiva....ironias á parte e indiretas também...é uma grande história....