domingo, 13 de junho de 2010

TREZE DOMINICAL - NÚMERO 2 - ATRASADO

TREZE

1. O debate político desta semana rodou em diversas variantes em torno do Dossiê Verônica Serra. Para quem não sabe basta pesquisar o conteúdo presente na net via Google. A menina é um espanto. Não se sabe com certeza se ela foi sócia da irmã do Daniel Dantas – aquela rica pessoa ou pessoa rica - , mas se sabe que ela tem uma consultoria em sociedade com o papai. Em todo caso, foi apurado que a origem do dossiê é de uma pesquisa feita por um importante jornalista do Diário de Minas, às vésperas da prévia Aécio/Serra – que não saiu vale lembrar – que, e assim parece para nóis, foi encomendado como artilharia de defesa para evitar aquela prática conhecida de destruição de reputações, que já foi aplicada com sucesso em outras circunstâncias, também conhecidas. O resumo da ópera é que Serra acusou Dilma de ser a responsável pelo dossiê, e o PT respondeu que irá interpelar o nobre candidato do PSDB a este respeito. O tiro saiu pela culatra, porque agora Serra conseguiu colocar na vitrina a filhinha.

2. Enquanto isso sai a tão esperada pesquisa IBOPE. O empate em 37% para Dilma e 37% para Serra é uma grande vitória. Quase todos os analistas aguardavam este resultado e agora a expectativa é ver a BOCA DO JACARÉ ABRIR E DILMA CRESCER ULTRAPASSANDO SERRA JÁ NO PRIMEIRO TURNO. A gente não tem como determinar que isto vai acontecer, mas eu creio que há uma grande probabilidade, pois Serra fica cada vez pior e a tentativa de se imunizar com o joguinho de acusar a candidatura de Dilma de vazar o tal Dossiê cai no ridículo, pois trata-se de um livro que vem à tona antes da sua publicação em que no qual Serra sendo candidato ou não fica escancarada a farra das privatizações do governo FHC. Mais cedo ou mais tarde este acerto de contas iria aparecer. Nas eleições de 2006 o debate sobre privatizações foi feito só no segundo turno e derrubou Alckmin de vez. Neste sentido, volta à tona sob o pano de fundo do Dossiê o debate do segundo turno de 2006. A impressão que eu tenho é que eles estão em pânico, pois se ficar o bicho come, se correr o bicho pega.

3. Aqui no Rio Grande do Sul Tarso Genro caminha no sentido de promover a última batalha nesta polarização constituída após a ditadura militar, em especial após a vitória de Olívio em 1988 para a Prefeitura de Porto Alegre. É daquele tempo que temos a formação e a produção de um anti-petismo pela mídia local e a sua contrapartida pseudo congruente que é a idéia de pacificar o estado e julgar conflitos de idéias como um mal. Ora, se a diferença de idéias é um mal, então a democracia não tem razão alguma de ser. Recomendo leitura de um texto de Flávio Koutzi Fantasmas Induzidos ali no Blog do Marco Weisheimer sobre este tema. O meu ponto de vista é que esta é a batalha final, pois que a partir da noite da vitória certas dicotomias não farão mais sentido no RS e se tudo se confirmar no Brasil. Na minha perspectiva os impasses da transição democrática terão sido superados, a saber, a pauta de conciliação, o processo de reintegração dos exilados, a afirmação de alternativas políticas, a superação do afogamento sofrido pelo trabalhismo e a sua versão moderna que procurou afogar também o petismo. Ainda que muitos trabalhistas não percebam isto e se aliem àqueles que foram os maiores beneficiários com o seqüestro da sigla do PTB e com a perseguição implacável sofrida por Brizola e todos os resistentes que procuraram se constituir na política a partir dos anos 80 e 90. Com todo respeito...

4. O debate sobre a política externa brasileira ganhou mais um ingrediente nesta semana quando aquela cineasta brasileira participou do Flotilha pela Liberdade tentando chegar com ajuda humanitária na faixa de Gaza. A saber, qual a posiçõa brasileira sobre os crimes contra a humanidade cometidos em Gaza? Se depender do Serra fica tudo como está, é claro.


5. Sobre a educação me lembrei de uma recomendação de minha professora de estágio que talvez sirva aos colegas que tem dificuldade para segurar alunos em sala de aula nas sextas-feiras ou nos últimos períodos da noite: é preciso dar aula de tal modo que os alunos esqueçam por alguns instantes todo o mundo lá fora da sala de aula e se concentrem em um outro mundo ou assunto apresentado pelo professor. Em outras palavras é preciso apresentar algo que tenha algumas qualidades novas, interessantes, instigantes e surpreendentes. Será que não tem nada com estas características nas demais matérias?


6. Dilma tem razão quando fala em uma base educacional orientada pela ciência para promover o desenvolvimento do Brasil. E cada vez que eu entro em uma biblioteca de escola pública e vejo a bibliografia recebida pelas escolas dentro dos programas PNDE e PNLDE percebo que só falta abrir as bibliotecas de fato. Mas percebo também que muitos professores não tem percebido que está se formando um acervo muito respeitável e útil para a formação de novos cientistas no Brasil. Assim creio que é uma grande oportunidade para a formação de novos cientistas promover uma Tour nas bibliotecas escolares. Muitos alunos precisam ser desafiados e provocados para despertarem do sono e acordarem para uma perspectiva fascinante e extraordinária da ciência.


7. Da diferença entre ossada e filé número 2. Quando o boi é muito gordo é preciso saber exatamente onde estão as juntas e os ossos principais.

8. Sobre a minha visão do Salto do Tigre que eu espero ajudar os meus alunos a darem. Penso que se eles devem crescer e se preparar para darem o grande salto do Tigre para bem longe da gaiola do ensino médio, de preferência caírem com as quatro patas em um curso superior ou em um bom curso profissionalizante, nós professores devemos nos preocupar em como aumentar a musculatura deles para darem este salto. Não adianta simplesmente empurrá-los para frente.


9. Neste final de semana que veio com um feriadão junto fiquei pensando em como a gente emprega um tempo desgraçado da nossa vida para fazer aquilo que os outros deveriam ter feito melhor antes. Por exemplo, avaliando meus alunos e suas redações fiquei pensando se nenhum professor de português, literatura ou que trabalhe com textos didáticos não pôde conseguir efetivamente ensinar os alunos a escrever. E também como é necessário fazer eles escrever pelo menos um texto por semana. Apesar disto alguns alunos superaram a média geral. Mas e aqueles que não conseguem escrever três linhas?

Este exemplar do TREZE-Dominical que eu apresento neste domingo está assim enxugado e corresponde aos período entre os dias 31 de maio e 6 de junho de 2010. No Aniversário do Blog resolvi colocar mesmo sem ter concluído.

Nenhum comentário:

Postar um comentário