sábado, 4 de fevereiro de 2017

GENTILEZA GERA GENTILEZA?

Eu aprendi muito jovem a reconhecer um ignorante e um arrogante com o mesmo critério. Faço a mesma distinção, porque ambos são incapazes de agradecer a uma gentileza. O primeiro porque não sabe a importância disto e nem reconhece o gesto enquanto tal. Já o segundo porque é incapaz de agradecer ou retribuir a uma gentileza, simplesmente porque se acha mais importante do que os outros, superior e que cabe a eles satisfazerem sua nobreza ou superioridade sem nenhuma retribuição nem em troca e nem por acaso. Ambos são incapazes de responder a uma gentileza, não possuem gratidão e nem estima elevada pelo próximo. O selvagem desprovido de atributos sociais e culturais superiores, então, e o nobre sábio ou superior aquele que é provido ao seu ver de gigantescos atributos se igualam neste traço. Adoro gentilezas, respeito e consideração e gosto muito de retribuir, mas é em dias como este que eu tenho a mais firme convicção de que Rousseau tinha muita razão em seu pessimismo social e cultural, e como ele pelo mesmo motivo Thoreau - Kerouac - e diversos outros que olharam para o modo como nossa sociedade se organiza e como seus indivíduos se comportam e percebiam que não deu boa coisa e que algo de realmente nobre e superior como a gentileza tem pouquíssima possibilidade de receber consideração e estima e ser tomado como exemplo orientador da conduta. Gentileza gera gentileza e seria bem bom que isto fosse o caso, mas infelizmente muitas vezes não...e a consideração necessária para que isso ocorra não é geralmente ou igualmente distribuída entre todos os seres humanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário