domingo, 25 de dezembro de 2016

RASCUNHO DE PÓ E LETRAS – 2

O vento sopra para longe todo este pó e palavras do mundo.

As palavras restam letras.

Dos corpos resta o pó.

Voltamos todos à terra e ao barro.

Nossas letras se esquecerão.

Nossos pecados perdoarão.

Nossos amores em nossas mãos desaparecerão.

Cinzas e redemoinhos nos levam com o tempo.

E de nosso suor e lágrimas ficam vestígios impressos em grãos de areia.

Nada restará de nós neste mundo.

E dos outros restará a mesma coisa.

Talvez apenas aquilo que criarmos, construirmos e deixarmos de nós escapar.

Nossos filhos e netos vão pisar o mesmo chão e saberão que sobre nós estão.

E somente de alguns que restarão mais humildade e dedicação para fazer jus a este mundo.

E dá gente ficará a semente mais suave e leve para na brisa passear.

E o vento irá guiar cada gota de nós ao seu destino.

E o tempo vai colher cada grão de desatino.

Nós aqui estaremos para tudo que deixamos e daqui partiremos para tudo que buscamos.

Afinal, como já diz a escritura do pó viemos e para o pó voltaremos.

E se assim quiser, em letras deixaremos nossas cinzas, nossas retas, nossas linhas e diretas.


E a terra nos recebe, pois de ti saímos e para ti voltamos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário