terça-feira, 15 de novembro de 2016

FILÓSOFOS VERSUS MOVIMENTOS SOCIAIS DE OCUPAÇÃO DAS UNIVERSIDADES

10 de novembro de 2016


E eu só observo estupefato. Imagina se os movimentos sociais resolvessem dar pitaco nas investigações filosóficas especializadas dos senhores professores ou tratar de seus métodos e de suas relevâncias? Mas mesmo assim é uma experiência que todo intelectual deveria - se houver compreensão e aceitação desta necessidade para um incremento da praxis - ou poderia passar. Poucos, muito poucos que se relacionam de forma colaborativa e horizontal com os movimentos não ganham nada e não contribuem. O ideal e o que eu recomendaria até por ser professor de escola pública que participa dos movimentos e que tenta contribuir com reflexão e ação nos movimentos é participar dos movimentos. Contribuir, aprender a suportar na prática concreta as diferenças, aceitar ser voto vencido nos encaminhamentos, compreender as organizações conquistar a paciência necessária e a capacidade de diálogo com compreensões e perspectivas políticas, culturais e práticas diferentes. Vencer sem fazer gabolice e contribuir na síntese coletiva o que já é uma proeza intelectual razoável nestes tempos de retrocessos e intolerâncias. O Eduardo Vicentini de Medeiros teve algumas boas experiências nisto e foi extremamente feliz em sua participação e análises nas ocupações aqui no Vale dos Sinos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário