domingo, 23 de outubro de 2016

O MEU CORCEL VERDE ÁGUA

Ontem ao final da tarde passou um corcel verde água ano 75 por mim e minha irmã e eu me lembrei do dia em que meu pai chegou com ele na estação rodoviária, estacionou bem no balão da curva do estacionamento e nos chamou para ver. Eu gostei dele à primeira vista. Já era usado tinha mais de cinco anos. Aquela cor é inesquecível para mim, porque ainda hoje ajuda a testar meu humor e me anima em diversas situações que a encontro. Aprendi a dirigir com aquele carro me parece e fazia força para alcançar os pedais. E foi com ele também que eu fiz bobagem uma noite dando carona para um amigo e fazendo muito caso de algumas gotas de whisky no assoalho traseiro.. Foi uma barbeiragens na Rua São Paulo que me custou duras repreensões e que custou ao meu pai um prejuízo que um dia tentei reparar. Depois do meu acidente, de uma colisão traseira numa esquina de acesso à BR 116 em Esteio que não existe mais e de uma peixada de um outro eletricista – o memorável Chico, foi que de vez passaram uma tinta verde fosca nele e ele ganhou o apelido de Sargento e durou até o dia em que meu pai se desfez dele. Depois que vendeu ainda vi ele num ferro velho em cima de uma pilha de latarias e me impressionou por que ainda tinha aquele ar selvagem e audaz dos velhos tempos. Ontem quando vi um irmão dele andando tive uma ótima sensação. A sensação de uma boa lembrança, pois que a tração dianteira e também a arrancada dele eram coisas geniais para mim, porque eu sentia o motor e as rodas nas pontas dos pés e deve ser esta uma das sensações mais legais da direção mesmo. Um dia pisei fundo quando ele já era o Sargento e a lataria tremeu toda, mas foi uma ótima e inesquecível sensação. Assim como andar de moto sem capacete foi um dia legal e deixa para a gente aquela sensação de liberdade com o vento na cara, aquele carro foi para mim a melhor experiência de integração homem/máquina que eu tive. Deve ser uma coisa de guri isso. Algo bem parecido ou semelhante só fui sentir com a guitarra entre as mãos. Mas daí já é outra história...

Nenhum comentário:

Postar um comentário