sábado, 17 de setembro de 2016

MUITO ACIMA DE SUAS CIRCUNSTÂNCIAS: DILMA ROUSSEFF, por Rogério Passos Severo (01/09/2016)

“Um dia, há trinta anos, quando eu tinha 15 anos de idade, fui encontrar minha mãe no seu trabalho, no horário do almoço. Ela então trabalhava na Fundação de Economia e Estatística, em Porto Alegre. Enquanto esperava na portaria do prédio, uma mulher negra, muito magra e, pela aparência, muito pobre, pediu ao porteiro um copo d'água. Visivelmente, estava passando mal. O porteiro pediu para ela sentar-se. Parecia estar tonta, seu rosto era de sofrimento. Ficou alguns minutos ali, à minha frente, bebendo seu copo d'água. Nesse meio tempo, entrou no prédio a chefe de minha mãe, que imediatamente viu qual era o problema. Virou-se para a mulher que sofria, cumprimentou-a e perguntou: "Comeste alguma coisa hoje, tomaste café da manhã?" Constrangida, ela respondeu que não. Dilma Rousseff então tirou de sua carteira dois vales-refeição e disse para essa mulher: "tome, coma alguma coisa". Ao porteiro, disse: "ela não estava com sede, nem estava passando mal, está é com fome". Despediu-se de todos e foi para o seu trabalho. E eu fiquei ali, observando a cena toda. Foi uma lição para mim. Lembro dela perfeitamente, ainda hoje. Assisti ao discurso de Dilma no Senado e acho que ela se saiu muito bem. Esteve desta vez, como da outra, há trinta anos, acima das suas circunstâncias.”


A dignidade e o caráter de quem está "acima de sua circunstâncias" é para mim também sempre uma lição do que há de mais nobre em nossa humanidade. Também tive o prazer de conhecer Dilma naquela instituição. Coube à mim aplicar uma entrevista nela. É na época me ocorreu a mesma percepção que você aqui descreveu. Ela era muito superior às suas circunstâncias. E foi inclusive este o tema de nossa conversa fora da tarefa que me cabia executar. Ela me perguntou o que eu fazia. E eu disse que estudava filosofia e estava desempregado fazendo algumas pesquisas para me manter estudando. Ela então se apresentou para mim e disse que estava ali naquela mesa em meio à sala de passagem entre uma tarefa maior ou outra e que tinha bons projetos que logo se iniciariam. Três anos depois ela assumia como Secretária de Minas e Energia do Governo Olívio Dutra de onde n passo de alta performance e grande perícia passou em sete anos para a equipe de transição de Lula, para o Ministério de Energia e logo após em 2005 substitui José Dirceu como chefe da casa civil. E ontem quando vi os olhos dela marejados fazendo aquele discurso logo após a confirmação do golpe, me lembrei disto de novo e fiquei olhando ela é ouvindo até o final com Maiakovski e tudo. Ela sempre estará muito acima de suas circunstâncias e das nossas também. O contraste disto com o usurpador é para mim assombroso. É nestas horas que penso mais ainda de que nossa educação precisa mesmo conter componente de educação da sensibilidade. Mas este é outro papo. Esta bela memória do Rogério me fez lembrar e repetir o relato desta minha também de novo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário