quarta-feira, 31 de agosto de 2016

INVICTUS

Autor: William E Henley - Tradutor: André C S Masini


Do fundo desta noite
que persiste
A me envolver em breu - eterno e espesso,
A qualquer deus - se algum acaso existe,
Por mi’alma insubjugável agradeço.
Nas garras do destino e seus estragos,
Sob os golpes que o acaso atira e acerta,
Nunca me lamentei - e ainda trago
Minha cabeça - embora em sangue - ereta.
Além deste oceano de lamúria,
Somente o Horror das trevas se divisa;
Porém o tempo, a consumir-se em fúria,
Não me amedronta, nem me martiriza.
Por ser estreita a senda - eu não declino,
Nem por pesada a mão que o mundo espalma;
Eu sou dono e senhor de meu destino;

Eu sou o comandante de minha alma.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

TRISTE BRASIL, SENADO VERGONHOSO

Nosso Senado nos envergonha. Temos de convir. Não há como ter alguma forma de satisfação cidadã daqueles que lá gargalam cinicamente. Ou é a burrice coroada ou a perversão entronada. Muito me deixa em aversão neste mundo, mas assistir o que assisto é o fim da picada. O deboche sobre as políticas sociais, a falsidade moral dos que se elegem com fortunas, as heranças e a hereditariedade, os lambe botas e os nababos, a retórica galhofeira, a imoralidade e a indignidade travestida e o riso à solta, a graça toda em postada e impostura. Se repete em grau pior o vergonhoso espetáculo do congresso. Não valem a citação, os debochados que lá galhofam. Pobre do Brasil e dos brasileiros que daquela casa esperam juízo, justiça e alguma res de sabedoria.


P.S.: Após ouvir o que ouvi, por mais decisivo que seja o resultado do placar, no fundo chego a pensar que pouco importa, pois se dali sair alguma coisa boa, será um milagre temporário, pois logo mais sobrevirá mais tragédia e mais danação para todos nós. Que vergonha! 

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A PRESENÇA E A DIFERENÇA DO SOL

Que falta nos faz o Sol? 

Ou, que diferença faz sua presença? 

Spinoza percebeu sua presença simultaneamente transcendental e carnal assim:

"mais tarde, com efeito, ao saber que o sol está distante mais de 600 vezes o diâmetro terrestre, nós não deixaremos de imaginar que ele está perto de nós; pois imaginamos o sol tão próximo porque ignoramos sua verdadeira distância, mas porque uma afecção de nosso Corpo envolve a essência do sol, enquanto o próprio corpo é afetado por este astro"

SPINOZA - ETICA

QUANDO A NEGAÇÃO É A NEGAÇÃO DE SI MESMO

Veja que "às vezes a negação é uma negação de si mesmo..." disse certa feita Friedrich Nietzsche.

Pensando sobre esta gota profunda e subjetiva de Nihilismo. A negação ai é aquela operação cuja intencionalidade pode ser subjetiva. Pode ser produto de nossa vontade e não apenas uma conclusão de um raciocínio lógico ou de uma contra prova empírica ou fatual de uma proposição. Presente na negação do pensamento que sucede a crise do pensamento que é provocada pela dúvida sobre sua própria razão ou sua possibilidade. Quando se avança o sinal e se passa a pensar que por pensar errado ou raciocinar errado, o pensamento e o raciocínio não tem sua possibilidade de sucesso.

Quando lidei com isto pela primeira vez me dei por conta de que talvez poderia estar prontinho para enfrentar a pedreira do Nietzsche. Hoje percebo que é só uma das versões possíveis da crise e de sua possibilidade de superação.


Aqui mais um exemplo de ideias filosóficas encantadoras que depositadas em um ou outro lugar, que fora de contexto parecem ter mais sentido. Esta é a importância destas ideias serem superadas e deixarem de ser trivialmente encaradas e lidas apressadamente.

sábado, 20 de agosto de 2016

LIÇÕES SOBRE CRENÇAS

Lições sobre crenças, critérios, evidências e certeza ou dúvida deveriam ser levadas bem mais a sério neste país. Entre os que erram por disposição consciente e aqueles que erram por acidente a diferença é pequena porque parece ser apenas ignorar estas lições.

CLIFFORD CONTRA ACUSAÇÕES SEM INDÍCIOS

Trecho do Clifford tão oportuno quanto cristalino:


"Algumas pessoas formaram uma associação com o objetivo de provocar a agitação do público acerca desse assunto. Publicaram acusações graves contra cidadãos individuais do mais elevado estatuto e reputação, e fizeram tudo o que estava ao seu alcance para lesar estes cidadãos no exercício das suas profissões. Fizeram tamanho barulho que foi nomeada uma comissão para investigar os fatos; mas após a comissão ter averiguado cuidadosamente todos os indícios que se podiam obter, parecia que os acusados estavam inocentes. Não só foram acusados com base em indícios insuficientes, como os indícios da sua inocência eram tais que os agitadores os podiam ter facilmente obtido, se tivessem procurado fazer uma investigação imparcial. [...] Pois embora acreditassem sincera e diligentemente nas acusações que fizeram, não tinham todavia o direito de acreditar com base nos indícios de que dispunham. As suas convicções sinceras, em vez de merecidas pela investigação paciente, foram roubadas, dando ouvidos à voz do preconceito e da paixão." ("A Ética da Crença").

DE CAÇADORES, JOGADORES DE XADREZ E ESPERTEZAS

Lembrando de uma velha lição de caçador de animais ferozes. Enquanto a caça não sabe que está sendo caçada tudo corre bem, porém se ela descobre isto pode ocorrer uma inversão de papéis e o caçador virar a caça e a caça passar a ser a caçadora. No xadrez ocorre algo um pouco diferente mas que tem um traço comum com isto. Dependendo das peças que você possui - se tens as brancas ou as pretas - terás uma vantagem enquanto seu adversário não for capaz de prever teus movimentos. Às vezes somos a caça e temos as pedras brancas, porém quando sabemos algo as coisas podem mudar e a desvantagem inicial pode ser revertida. Tudo isso - que também nem é tanto assim - e veio à mente vendo The Blacklist ontem, quando Reddington imagina encurralar Rostova ela lhe deixa uma lembrança de que ele também pode virar a caça e que sua vantagem inicial também pode ser revertida. Meu avô me mostrou isto em algumas jornadas de xadrez e de seus relatos sobre como certas coisas acontecem. Por isto mesmo alguns objetivos precisam ser secretos e algumas vantagens precisam ser escondidas, preservadas e protegidas. Minha revelação aqui poderá apenas deixar eminhocados aqueles que mal sabem em que posição estão. Mas não faço isto por gabolice ou algum senso de vantagem, apenas pela graça infinita desta situação que se reflete em tantos momentos de nossas vidas. É mesmo assim imagino ainda que a vida não é um jogo e nem uma aventura de ficção ou de exercício de espertezas.

domingo, 14 de agosto de 2016

DROGAS, ESCOLHA, LIBERDADE E RESPONSABILIDADE

Lembrando de um comentário sobre distorção da realidade e a livre escolha de usar drogas em aula e no hospital nesta semana. Tratava também em aula do mito da caverna a respeito da possibilidade de estarmos vendo de forma deliberada a realidade de forma distorcida. Perceber a realidade como enganosa na caverna e no uso de drogas e que talvez não haja realmente nenhum ganho em se ingerir drogas ou bebidas que apenas aumentam a distância do nosso mundo real e nos afastam dele, bem como, distorcem nossa percepção, nossa capacidade de resposta e de reflexão sobre a realidade. Isso sem falar no delay ou retardo em responder ou na ansiedade ou angústia aumentada que certas drogas provocam. E os personagens no cinema e na vida real que vivem isto a nossa frente são abundantes. As drogas entorpecem mesmo um indivíduo, de tal modo que seus usuários simplesmente não conseguem mesmo compreender o timing ou o ritmo e a velocidade do mundo real. Uma parte da nossa vida passamos vendo e experimentando e, em outra, vamos descartando mesmo o que não serve para melhorar coisa alguma na gente. Porém, vou lembrar também que tenho uma posição liberal em relação às drogas. Isto é, não sou careta e nem quadrado neste e em outros temas. Mas me considero aqui um liberal com responsabilidade. Não se trata do mero laisser faire simplório e demagógico ou de uma liberdade aprisionada na pequena consciência. Defendo, e já falei disto em diversas ocasiões, que as drogas, e incluo aqui o alcool, o tabaco, certos alimentos em excesso e outros tipos de opções que as pessoas escolhem adotar para ingerir ou consumir em suas vidas deveriam ser todas liberadas, mas que seus usuários deveriam assinar de forma deliberada e consciente uma espécie de termo de responsabilidade de tal modo que sejam responsáveis e imputáveis por todas as suas consequências em suas vidas. Isso significa que a opção pela ingestão ou consumo de drogas e o ônus pelo seu consumo deve ser de responsabilidade exclusiva do usuário, inclusive os custos de tratamento no sistema de saúde, os danos e ônus no processo educacional e etc. Quem quer se destruir que pague a conta. E eu sei o quanto isto reduziria os custos do nosso sistema de saúde que é extremamente comprometido com estas escolhas e suas patologias. O que eu mais gostei nesta matéria é o tema da liberdade de escolha consciente desta nova geração. Isso é um progresso. Afinal, como já dizia o Nei Lisboa em sua canção Prá Viajar no Cosmos não precisa gasolina... 

LINK para a matéria compartilhada pelo Luis Carlos Maciel que despertou meu comentário e texto: http://yogui.co/os-novos-hippies-do-seculo-21-nao-necessitam-de-drogas/   

sábado, 13 de agosto de 2016

O VALOR DE UM LIVRO: 2011

Prá manter o meu moral alto: o valor de um livro nunca é exatamente o valor do preço de capa...muitos livros valem uma vida inteira...a busca da sabedoria e da felicidade não tem preço...


NUM DIA QUALQUER

Eu só tenho 18838 dias de vida e não vi tudo ainda, mas gostaria de começar a ver, ouvir e viver daqui para a frente coisas melhores com certeza...sei que vai ser difícil, mas vou tentar com todas as minhas forças e no que depender de mim vai rolar sim...

MEDO E CONFIANÇA

Lembrando do post festum do papo filosófico da semana sobre ética, moral, direito e política com meus amigos e jovens estudantes Mauira Schneider e Guilherme Louzada na terça feira passada. Após um dia muito tenso e antecedendo um dia de decisões e de confiança no sistema e na possibilidade de dar resolução aos problemas  com firmeza e precisão, responsabilidade e clareza...Foi o mesmo assunto da aula sobre Hobbes em que dei o exemplo entre a obediência as regras por medo de uma punição por um jovem recruta e a completa confiança nas regras ou no sistema da parte de um general. Exemplo paradigmático para o tema da obediência hobesiana e da confiança kantiana. Saber que  entre o medo e a confiança se encontra nossa racionalidade interessada  que move nossa razão e nossa capacidade de crer, de agir por temor ou por confiança na razão ...

LENDO FOME DE SABER DE RICHARD DAWKINS

Lendo Richard Dawkins – Fome de Saber, uma biografia - em uma igreja dentro de um hospital entre uma dor e uma oração ou outra. Mas pensando também em uma igreja especial para evolucionistas, pessoas bem humoradas e sem medo. Pessoas que tentar entender, tem dificuldades, mas que olham para os casos de acidentes naturais e sociais não somente como perversões morais e intencionais, mas também como impulsos vitais que levam os seres humanos e todas as espécies para uma existência ulterior. Isso inclui esta inexplicável disposição para ler, escrever, investigar, observar, ouvir, compreender, explicar, interpretar, questionar e criticar sem temor o que é e o que não é o caso. E me preparando para aqueles longos papos com minha filha Isabella...

SOBRE ESPERANÇA E DOGMATISMO - EM 2013 PARA UM AMIGO

Não perca a esperança...não julgue tanto os outros...existem muitas frentes em disputa e em debate hoje em dia...o fato de alguns não estarem juntos contigo agora ou ao teu lado, com idéias semelhantes as tuas e com propósitos iguais aos teus não significa que não estejam todos e muitos que mal sabem disto conspirando por um mundo melhor que para nossa geração é o "socialismo", para outros é uma sociedade aberta, para outros é a reforma social, para outros a mudança social, para outros a igualdade e muitos outros ainda defendem ainda só a liberdade, e ainda tem aquela turma maravilhosa que defende o amor ao próximo..calma...mantenha a esperança reconheça no próximo as mudanças que queres em ti mesmo e verás...um outro mundo é possível sim, mas na conjuntura atual e no cenário atual ele não será construído mesmo de forma centralizada ou organizada como nós estávamos acostumados a julgar e a estimar antes..despertar de um sono dogmático é difícil, mas também é possível em atitudes e em pensamentos cotidianos...um grande abraço amigo...

O IMPÉRIO DA MESQUINHARIA

O império da mesquinharia jamais será derrotado definitivamente. Todas as nossas vitórias contra ele são e sempre serão temporárias e provisórias. E quando ocorrerem devemos aproveitar muito mesmo e muito mais mesmo. Escrevo isto principalmente para aqueles que olham para os golpes reais e para os retrocessos na história e na vida das pessoas.

(Algo que falei agora à pouco com seu Hélio Mariano - viu Ibanes De Oliveira Mariano e Itaner Oliveira - e que postei como comentário em uma postagem sobre a impossibilidade de arrependimento por parte dos golpistas feita pela Denise Bottmann.)


Sei que alguns diriam que trata-se da inveja ou de certa forma de disposição maledicente. Mas eu não sei se é mesmo uma questão moral ou cognitiva, se é um tema de ideologia ou de mera disposição constante em não aceitar certas conquistas ou andar sempre na infelicidade quando há alguma possibilidade de felicidade para todos. O fato é que qualquer possibilidade de mudar o mundo para melhor sofre sempre retrocessos e eu não sei isto porque sou velho ou sabujo, mas sim porque balanceio aqui os relatos de muitos outros que ao longo da história tem observado que qualquer tipo de era de ouro não dura para sempre pois sempre acaba sendo ardorosamente combatida por diversos motivos como ganância, ignorância, inveja, intolerância e etc...senão como diriam os materialistas históricos porque a história é dialética e pendular e que as contradições não são elimináveis ou superáveis voltando sempre à tona em diversas sínteses opostas e de cada lado do espectro político. Porém, sempre dá para lembrar também neste amargo comentário que as sementes da nova síntese aparecem na resistência à velha síntese e nela de desenvolvem como que por uma mágica da história. Alguém poderia me perguntar se eu acredito nisto mesmo? Bem, assim me parece.....  

PENSANDO NOS IRMÃOZINHOS NA CAVERNA

Ontem eu dei uma aula sobre Platão para o primeiro ano da manhã. É a mesma aula que eu sempre dou quando passo a abordar o tema das diferenças entre aparências e essências e também sobre a diversidade de nossas crenças. Tratando do famoso mito da caverna (livro 7 da República), que é talvez a alegoria mais importante da história da filosofia. Tão importante que eu creio que por ofício nenhum professor de filosofia pode negligenciar ou sonegar aos seus alunos e alunas uma aula sobre isto. Para mim e outros ela tem grande serventia, seja como base de introdução ao pensamento crítico, seja como base para esclarecer as posições céticas em relação à possibilidade de sabermos algo sobre a realidade ou termos crenças seguras sobre ela. Minha exposição sobre o mito da caverna tem diversas etapas, mas não vou expor aqui isto agora. Ao tratar dos motivos que levaram às pessoas que saem da caverna à voltar a ela para tentar libertar os demais dos grilhões da percepção, da ignorância, dos costumes ou dos hábitos ou das correntes que nos prendem à certas crenças, eu sempre faço uso de uma expressão familiar, dizendo que o liberto volta para tentar libertar também seus irmãozinhos. Mas ontem foi um pouco diferente, porque acabei explorando um pouco mais este vínculo familiar e a virtude do que vivo agora e também do que já vivi antes. Disse que devemos educar as pessoas para dar mais valor aos seus irmãos - sem desprezar aqueles que se tornam membros da nossa família e aos seus irmãos por acaso - mas eu disse que os irmãos naturais são importantes porque de fato são aqueles que em muitos casos melhor nós conhecemos e nos conhecem e que de certa forma nos acompanham muito próximos de nós em muitas coisas e assuntos ao longo da vida. Exceptuando-se aqueles que não tem irmãos, creio que todos conseguem entender do que falo aqui. Desde a mais simples cumplicidade no primeiro segredo até as grandes alegrias, as dificuldades e desafios da vida. É tão bom ter um irmão próximo, mesmo que ele só esteja ali, mas quem dirá quando ele participa e quando ele é único a fazer o necessário para nos ajudar, corrigir, criticar ou elogiar. Depois que eu disse isto, mais ou menos assim, uma aluna começou a chorar. Prossegui na aula, na saída questionei ou perguntei o motivo da aluna chorar e ela me respondeu que havia brigado com o irmão. Eu dei um abraço e disse vai lá então é faz às pazes com ele. Não vais te arrepender...

DO DESENTENDIMENTO COM CLAREZA

"A questão principal não é se nos entendermos ou não, mas se conseguimos nos desentender com clareza."


Um pensamento que tenho trabalhado nos últimos cinco anos. 
Aliás, com clareza e tranquilidade...

sábado, 6 de agosto de 2016

A EDUCAÇÃO É O MELHOR CAMINHO PARA A HUMANIDADE

O homenageado nos jogos olímpicos do Rio de Janeiro de 2016 dizendo "a educação é o melhor caminho para a humanidade" e eu pensando comigo no tamanho desrespeito que nos professoras e professores brasileiros, gaúchos e leopoldenses sofremos de uma classe política que sequer compreende o valor do nosso trabalho, nossas lições e que também não respeitam os nossos alunos e alunas e os cidadãos e cidadãs. É a mais triste e dura verdade, pois somos desrespeitados pela canalha que conquista o poder no padrão imoral do vale tudo.

DO PODER E DO QUE FAZER COM ELE

Algumas pessoas acham ou achavam que eu queria ou quero o poder. Se enganam ou se enganaram, porque o que eu mais quero é dividir o poder. Da forma mais radical e completa possível. E isto não é anarquismo....