segunda-feira, 25 de julho de 2016

SE O SER HUMANO RACIONAL PODE DESAPARECER?

Boa pergunta e provocação. A fórmula talvez ajude a vermos e a sairmos dos termos absolutos: H ( An. + Rn. + Pn.). Nosso humano sofre graduações diferentes dos três componentes tradicionais: ser animal, ser racional e ser político. (Sempre penso em Aristóteles aqui.) E, já temos casos de situações em que os graus vão para escalas negativas e quase insuportáveis. O humano é um indivíduo e uma espécie, mas o individuo pode zerar, se esgotar e a espécie também, tanto em suas qualidades e predicações quanto em seus acidentes. Sobre ser um animal racional dando sinais de se encaminhar à extinção, pelo menos enquanto racional, acho difícil. Sempre haverá pelo menos um exemplar racional na espécie que saberá passar adiante esta ideia ou habilidade e sempre haverá pelo menos um que queira prosseguir neste hábito de dar razões, dialogar, ter dúvidas, questionar, refletir, expressar ou tagarelar sobre isto. Vejo que talvez o suporte mais básico disto desapareça: o animal. Passei o dia pensando no teu ponto. Sinceramente desde que li. Me pareceu que foi cedo. A extinção é sim algo possível. Não na mesma proporção ou grandeza da possibilidade de o sol não nascer amanhã ou deste mundo não existir mais daqui a instantes, seja porque a gente desapareceu ou partiu, seja porque tudo se esgotou e sumiu do registro de algo tipo BIG UNIVERSO TRANSFINITO. Mas não creio então, por pior que as coisas pareçam, que o ser humano racional vá desaparecer e se extinguir e restar só o animal que um dia foi em algum sentido racional, salvo se toda espécie desaparecer. O problema do racional é que ele também se adapta às contingências e, então, talvez seja justamente por isto que passe a impressão de estar se extinguindo. O silêncio pode ser só um ocultamento temporário ou transitório do animal racional. Logo ele volta ao ataque e tentando dar direção a algum tipo de vida melhor ou mais razoável que esta que temos hoje. Valeu pela provocação, meu amigo Daniel Cunha....

Nenhum comentário:

Postar um comentário