segunda-feira, 30 de maio de 2016

A EDUCAÇÃO DOS SENTIDOS - CORRIGIDA E COMPLETADA 4 ANOS DEPOIS

A Educação dos sentidos é um velho adágio que seguimos. Temos que educar a sensibilidade dos jovens e de nós mesmos. Isto é uma provocação sensível, cognitiva e intelectual também. É preciso desenvolver, desafiar e provocar o senso estético dos jovens e adultos não somente para jogar eles em uma aventura no entretenimento, no gozo egocêntrico ou na fruição estética desinteressada e generosa, ainda que isto vá acabar ocorrendo também, mas sim é a tarefa de educar um ser humano para ultrapassar se, ir além de si, superar sua perspectiva original e abrir um horizonte mais amplo, confrontar o jovem e provocar no jovem a percepção de que ele não é limitado a sentir somente a si mesmo. A tal coisa chamada educação estética do homem é um trabalho civilizatório e humanizador, porque coloca o homem e a mulher em sociedade, em carne e ossos, e tal lhe gera empatia com o próximo, o faz compartilhar e ter simpatia com o próximo e traz para ele um tipo de sentido que só é possível em comunidade, na coletividade, que não é nem subjetivo ou objetivo. Usando aqui outra terminologia, trata-se também de familiarizar o jovem e os adultos que ainda não o fizeram com um outro regime de crenças. Expor outros sentidos e idéias das coisas, das gentes e das relações entre elas e entre nós e o mundo, nós e também nossa transcendência. Isso parece bem difícil, porque muitos olham somente para os seus sentimentos, olham somente para suas crenças fixadas e às quais aderiram sem nem saber exatamente como. Mas trata-se de colocar para eles também o desafio de encontrar o sentido que construíram sobre o que lhes é humano, comum e próprio. Assim, a educação dos sentidos, a educação estética, é bem mais que um mero humano ensimesmado e blasé que vai ostentar alguma ilustração, prerrogativa ou excepcionalidade de acesso à alta cultura, ou à cultura estética superior. Não se trata de construir uma performance por excelência ou superioridade. Não se trata disto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário