domingo, 31 de janeiro de 2016

SOBRE ESTAR 100%


Poxa que legal você está 100% de novo amigo!

Se recuperou totalmente do acidente!

Uma figura de linguagem típica ou representação estimativa típica é esta: estou 100%! Sobre o que falamos ai? Sobre meu estado de ânimo, minha saúde, minha conta bancária? Nada disto ou um pouco disto tudo junto e ao mesmo tempo. Falamos ai, então, de tudo, de toda a nossa vida, da roda da vida e de seu estado integral em determinado momento. Mas é possível estar 100%?

Como eu sei que estou mais ou menos nisso? Pelos meus sentimentos e impressões, por uma coleção de opiniões sobre mim mesmo? Faço um escrutínio, um balanço, rodo a roda da minha vida, percorro suas doze casas e chego a certa conclusão sobre meu estado geral?Giro uma roleta e se cair o número mais alto, então, estou legal?

Ou, alternativamente, como eu posso saber que você está 100% comigo? Veja, é bem difícil estar 100% consigo mesmo, então, imagina com outra pessoa. Sim, podemos estar 100% com determinado aspecto ou questão em relação a outra pessoa. Mas, veja bem, mesmo assim podemos ter uma segurança limitada a respeito disto, a garantia da palavra pode sofrer oscilações e perturbações.   

Estes dias fiquei pensando muito sobre os 100%. Disse para mim mesmo que não estava 100%. E olha que foi muito bom dizer o que eu disse, porque eu tava mesmo precisando admitir isso comigo mesmo até para pensar mais objetivamente no que me falta para estar legal ou me sentindo legal.

Quando a gente diz isso para si mesmo ou para outro imediatamente vem a questão: mas o que é que te falta.

E daí começa aquela seleção e revisão que sempre me faz pensar. Começamos a construir uma lista de coisas. Vamos revisando a vida, o aspecto, a saúde ou a relação com uma espécie de lista. E acabamos nos dando conta que esta lista é grande, mas que bem pensadas as coisas não é tão grande assim. Existem prioridades nela e estas prioridades vão mudando ao longo da vida. A gente vai negociando prazeres, desejos, gostos, hábitos, costumes, vícios, excessos e cuidados.  Às vezes somos provocados por alguém a pensar assim. Às vezes esse alguém talvez nem perceba isso. Nem perceba que está causando isso em você. (Confesso sim que usar “às vezes” é um vício de linguagem meu, mas é em parte inegociável porque aponta para uma ocorrência importante na vida da gente, para algo que não é freqüente e é ocasional, mas que nos dá certo sobressalto e nos chama atenção pela sua importância. Poderia ser a hora do espanto, ou do estalo ou do surgimento de uma consciência sobre algo do seguinte tipo: olha isso de novo, mas olha agora com mais atenção.)   

Estive olhando o filme sobre A Teoria de Tudo estes dias. Aquela cinebiografia do Stephen Hawking.  E no dia anterior tomei um porre com um amigo, tocando violão e gaita de boca, falando do universo, dos seus limites e da tese de que ele não tem limites porque o todo é para quem tem uma certa perspectiva metafísica infinito e ilimitado.

Bem este amigo é um cara que teve uma visão que nos salvou de morrer um dia. Vinha eu e ele  caminhando pela Marquês na volta de um bar e ele estendeu o braço para o meu lado e eis que paramos antes de entrar no arco de visão de um motorista que fazia roleta russa na antiga esquina do Potatoes e que com certeza se reduzisse sua velocidade por conta dos pedestres que iriam atravessar a rua bateria em outro carro que descia também a Marques em alta velocidade. ( A velha esquina da Rua Oswaldo Aranha com a Rua Marques do Herval.) Bem, ele estava 100% naquele momento! 

E nós estávamos  ali e eu pensava na vida e numa metafísica das coisas, uma metafísica de todas as coisas. Para mim, já disse isto antes tudo é energia ou matéria, mas tem no meio disso a nossa alma. E veja, aqui ela ocupa o espaço do que chamei de intenção antes, pois é a alma que faz a s coisas acontecerem. A matéria ou o corpo, nosso carro ou navio é só um suporte para a energia, mas é a alma que faz os lances e os dados rolarem. Mas a alma precisa ter vontade, precisa de seus motivos, desejos, gostos, paixões, idéias. A alma é exigente ao extremo e acaba sendo educada e habituada por nós e nossas relações também. Muitas vezes entro em dúvida sobre isto, mas me parece que ela no fundo precisa de outra alma. Outra pessoa que lhe de reflexos e respostas que ela mesma não consegue dar. Outra alma que a provoque ou até mesmo, sem nenhum temor digo isto aqui, ela precisa sim de outras almas para ter tudo isso.  E então na vida da alma surgem várias outras almas.

Pois bem, após esta digressão anímica e metafísica, então, dai entra aquela conta tua dos 100%. Pois eu cheguei a uma chave sobre isto: eu reduzi tudo ao TESOURO. Isto é, para atingir os 100% temos que ter o nosso tesouro. O 100% é o nosso TESOURO, nem mais e nem menos.

Anoto e já disse isso antes, que mais é o CASTELO. Então para atingir os 100% é preciso: PROMOVER O ENCONTRO ENTRE O TESOURO E O CORAÇÃO

É isso que te falta e que é preciso. E isso não acontece todos os dias. Veja quando estamos 100% acho que as coisas ficam mais claras e nossas escolhas também.  Alguém para criar esperanças aqui diria que: O amor nos deixa seguros. E isso é verdade. A gente sente firmeza.

E quando estamos 100% também podemos ver quem não está - pode ser. Quando estamos 100% entendemos perfeitamente o amor ou a possibilidade dele ou o seu sinal, a sua proximidade.

Quando eu não estou 100% eu sei. E sei disso muito bem. Faço um baita esforço para tentar isso. Isso é muito importante para mim. Lembro que escolhi um monte de coisas por isso, mas também lembro que você pode ter amor e não estar 100% também

Uma coisa é certa o sofrimento é algo que nos tira bem mais de 30%, mas não adianta mesmo dar tanta bola para isso. Penso que devo andar bem relaxado em relação a estas coisas hoje, pois o que vai ser será igual.


Não depende tanto de nós e de nossas escolhas certos assuntos e acontecimentos. Temos que conviver com isso, com nossa impotência em relação às escolhas de outros e suas manias ou opções. E isso envolve também preservar uma parte bem importante dos nossos 100%, a nossa dignidade que é fonte de equilíbrio e de segurança de nossa alma. E mesmo que se deseje e se interfira nestes assuntos alheios a nossa vontade a única forma de fazer a diferença é entender que diferença realmente deve ser feita. E isso também é difícil, isso também não é dado num instantâneo.     

Nenhum comentário:

Postar um comentário