domingo, 31 de janeiro de 2016

NOTAS SOBRE TRADUÇÕES: DE UM DIÁLOGO COM DENISE BOTTMAN


Eu adoro acompanhar os relatos dela no Facebook sobre as traduções que está fazendo, sobre a história das traduções, interpretações ou questões literárias e também a luta dela contra o plágio nas traduções.

Tenho adotado por isso uma perspectiva mais crítica em parte e de outra parte mais flex e compreensiva nas diversas traduções que leio. E também tenho pensado agora e muito na marca cultural das traduções e nas influências delas em certos hábitos e formulações que se sucedem como que se sobrepondo em camadas à formulação que o tradutor um dia adotou e que foi se consolidando no pensamento coletivo.

Pode ser meio bobice isto que digo, mas tenho pensado sinceramente nisso. E até mesmo na argumentação de alguns vejo as influencias seja pelo conteúdo, pela palavra, pela estrutura ou forma de expressão. Alias, em mim mesmo. Uma prova disto é....

Penso que os temas que ela levanta em ambos os casos poderiam nos fazer eleger um programa bem interessante de desconstrução destas marcas culturais.

Estas marcas são indícios claros de orientação e influencia cultural – que é o nome que designamos em instantâneo aqui - porque é meio isso que percebo em diversos textos...como se a marca fosse uma barra de Scheffer que percorre a tradição cultural e acadêmica.

E elas – estas marcas culturais - vão sendo reproduzidas. Penso muito no Bordieu aqui quando imagino isso numa dimensão sistêmica cultural e política também.

Hoje com o nivel de aperfeiçoamento da internet e dos programas de análise textual e tradução....acho que ainda vai rolar..imagina aquele lance da estilometria aplicado em grande escala, por exemplo, papers por área de conhecimento..

Vejo muita adaptação e mimese..se é que são as palavras corretas aqui....e nisso a ideia geral do Bloom é bem interessante sobre a tal angustia da influencia que gera diferenças no detalhe...


Fiquei pensando, então, uma noite toda sobre este tema e agregando mais questões. Bem, vou compilar isto e escrever sobre isto. Tenho, enfim, a impressão que deu um estalo na minha cabeça sobre isto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário