segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

DAVID BOWIE E O PENSAMENTO MUTANTE

Estes dias fiquei pensando na relação entre arte e filosofia e também entre política e cultura. Vejo pessoas que tocam o mesmo disco e cantor do mesmo modo uma vida inteira ou ficam dez anos ou mais com algo que podemos chamar de ladainha ou chorumelas. Dá vontade de mandar mudar o disco... Mas eu sei que não vai adiantar. David Bowie é um típico exemplo e extraordinário exemplo de produtividade e criatividade. Por mais de 50 anos produziu muito e foi extremamente profissional, apesar de suas loucuras próprias, crises e outras inventivas, era muito profissional - meus amigos e amigas astrólogas diriam um típico capricorniano ( como eu aliás) mas não fazia sequer viver de si mesmo e nem daqueles que admirava, pois sempre respondia ao tempo com atualizações, adaptações e mutações, com muita estética e também cuidado e apuro. Deveria ser uma lição para muitos. Mas vamos convir que é preciso estudar muito, trabalhar muito e viver muito para se reinventar com tanta fecundidade sendo uma mesma pessoa. Ele foi chamado de camaleão do rock, mas creio que era muito mais. Era um artista completamente criativo e que não copiava nem a si mesmo. E outro aspecto interessante é o modo como se relacionava com as obras dos outros e com os outros artistas. Creio que podemos aprender muito com ele. E sei que milhares de músicos e artistas no mundo todo são praticamente seus filhos ou trilham a picada que ele abriu com tanta ousadia e coragem. Olhe-se para as obras dele - que são obras que ele fez com extraordinários colaboradores alguns que ele descobriu e foi parceiro de diversas obras, não há nele uma bela lição sobre fazer junto? Vira o disco, muda a forma e faça alho com os outros, dívida e seja generoso, porque é mais ou menos assim o melhor caminho possível para fazer algo efetivamente interessante. Talvez assim teu gênio ou de outros desponte, apareça e tenha alguma relevância para muitos. Mais trabalho e mais trabalho coletivo, mais pensamento e mais pensamento coletivo, mais sensibilidade e criatividade podem ajudar muito. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário