quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

CARNAVAL EM SÃO LEOPOLDO 2015

A questão do carnaval, da religião, da cultura não é a questão de onde está a maioria ou de que lado a maioria está. Nunca foi. Em toda história do carnaval, das religiões não oficiais e os afro-descendentes sabem muito bem disto, em toda a história das atividades culturais inovadoras ou de vanguarda a maioria sempre esteve contra. Não é fácil para a maioria normalizada ou doentiamente equilibrada aceitar o gozo, a alegria ou o prazer do outro quando ele é diverso do seu. Mas porque então o poder público deveria investir ou compreender isto? Porque este tipo de política cultural e manifestação de diversidade deveria ser preservada, fomentada e financiada por recursos públicos? Porque ela traz consigo a diferença que em uma sociedade democrática e esclarecida, integrada e pacífica precisa ser respeitada e ter seu espaço de manifestação. Como se pode descobrir sem muito estudo o respeito e a tolerância com diferenças´pacificam a sociedade. O carnaval diz respeito aqueles que cultuam ou curtem algo singular e para aqueles cuja identidade cultural, étnica, histórica ou social foi formada ou preservada nesta atividade. O carnaval movimentava em São Leopoldo a vida de umas trinta mil pessoas - talvez muito mais, pis sempre teve potencial de expansão quando socialmente tolerada e publicamente incentivada - e algumas dessas milhares de pessoas se ocupavam com isso por gerações e gerações. Famílias inteiras tem isto como hábito, atividade e forma de relação social. Eu respeito muito eles todos. Creio que um gestor público de visão e democrata deveria olhar assim também para esta manifestação cultural..A vida deles o sentido disso para eles é muito mais importante do que os registros de violência ou qualquer incidente que possa ocorrer nestas atividades. Hoje pela manhã vi uma enquete da Guarda Municipal em que os comentários são no mínimo grosseiros e, no máximo, ignorantes sobre isto. Pecam pela forma superficial e simplória como tratam do assunto e mais que isto pela forma centrada apenas a partir de si mesmo e de sua própria opinião sobre isto. Quando falo em ignorância aqui penso mesmo assim no fato de que quem fala não sabe de fato de nada a este respeito - nem histórica, nem cultural e muito menos sociologicamente. Penso sim que não podemos guiar nossas decisões pelo achômetro ou pelos termômetros poucos generosos de pessoas que não compreendem sequer a si mesmas na sociedade em que vivem. Mas também tive a grata surpresa de ler um teto de um ex-aluno meu que por si comenta os assunto com generosidade e elegância te parabenizo Rafael Souza pela tua generosa abordagem que me dá esperanças de que as pessoas não vão se amesquinhando e virando pequenas em relação ao próximo. Só quem viu a alegria nos olhos das crianças, das mães dos filhos e pais, dos velhos e jovens no carnaval de São Leopoldo sabe do que falo aqui. Eu vi e sei que vou continuar vendo, apesar deste pobre e miserável governo e desta parte da nossa sociedade que se apequena em toda oportunidade que tem de avaliar o mundo e compreender o outro...se for falar em dinheiro do carnaval é mais vergonhoso ainda. porque o custo do carnaval é uma ninharia comparada com coisas muito menos sociais e de menos impacto com que gastam isso..E também fico feliz ao saber que o CARNAVAL VAI SAIR NO DIA 28 DE FEVEREIRO!!! e SEI QUE DIAS MELHORES VIRÃO PARA O CARNAVAL E A CULTURA!!

Economicamente a cadeia produtiva e de consumo do carnaval é muito mais interessante do que a opinião externa possa imaginar ou diminuir...mas dei enfase aqui à questão cultural e social..,mas quem quiser pode fazer uma boa lista qui disto...quando o pessoal discute segurança pública e carnaval chega a ser ridículo, porque eu aposto que a baderna do carnaval não é mesmo maiordo que aquela vibe que anda acontecendo na Rua Grande nosdomibgos à noite...só na guarda municipal rendem horas extras e outras coisas tão importantes quanto se relacionar com o povo de uma forma mais ligada ao entretenimento e ao prazer do que ao enfrentamento e a repressão....e por fim, tem a questão de lidar com o povo quem gosta de povo....mas esta já é outra questão também...

NEGAÇÃO NA EDUCAÇÃO -

Comentando a percepção do Nilton Fernando de que as pessoas curtem muito as críticas à educação, reproduzem e compartilham e que quando tem uma boa notícia da área as pessoas não leem e não curtem. Porque o comentário negativo é fácil. Muito mais comum do que parece. E muito comum entre aqueles que não tem compromisso coma educação também. Seja dos seus filhos, seja a escola, seja a educação dos filhos dos outros. Com esta indiferença o nome disso é negação e se deve ao fato de que é mais fácil a recusa do que a aceitação dos fatos...esta negação também se deve ao papel real que algumas pessoas tem no processo educacional brasileiro o que inclui tragicamente alguns educadores que meio assim e meio assado atuam na área sem perceber as mudanças, sem fazer parte delas e reclamam, resmungam e debocham o tempo todo de qualquer processo, projeto ou programa na área. Se o projeto é assim, deveria ser assado, se é assado deveria ser assim. Eu disse uma vez que isso era hipercrítico, mas não é, é um processo pseudo crítico porque quando você vai mais a fundo nos processos, projetos, programas e propostas percebe que estas pessoas críticas não te acompanham simplesmente porque não conhecem a fundo e em detalhe as propostas. Fazem uma leitura prima facie e superficial e tem por hábito generalizar quase em instantâneo qualquer coisa, ou prender-se a detalhes irrelevantes ou simplesmente fazem uma leitura ahistoricizada dos processos. Em diversos aspectos a educação brasileira avança como nunca, mas alguns parecem estar zumbizando em torno disso. E a imprensa alardeia muito mais os aspectos dos insucessos do que outras coisas. Aliás esta é a forma dominante também em relação à saúde pública e à segurança pública. Mas os resultados vão aparecendo. Ontem a discussão do SISU na rede globo é um exemplo disso. Olham mais para o que não deu e nunca compararam o que deu com o que nunca tinha dado certo antes. É a típica cegueira histórica pseudo-crítica e superficial. As escolas nunca receberam tantos recursos para gestão. A cada 3 anos há um novo ciclo de informatização pelo MEC e se você for em algumas escolas vais descobrir equipamentos abandonados e não usados pelas desculpas mais esfarrapadas possíveis. Mas isso não é assim em todo lugar. Tem escolas que tem ótima manutenção e infraestrutura e suas direções aplicam os recursos com sabedoria e muito cuidado, mas também apareceu escola com ventilador de teto caindo cuja culpa era do governador. Todas as escolas receberam livros didáticos e livros para as bibliotecas, mas nem todas tem colocado os livros à disposição. Mas não é assim em todo lugar não. Os alunos de escolas públicas que vão bem no enem e em outros exames leem muito. Os alunos que avançam nos estudos e que hoje fazem prouni, ciência sem fronteiras, os novos professores tiveram estímulos, apoio e realizaram trocas e socialização significativa com seus professores no ensino médio e fundamental. Mas enquanto isso nem todos percebem isso, participam isso, valorizam isso e atuam como reforço disso. O papel dos pais na educação brasileira me parece fundamental para o grande passo para o futuro. Mas isso não acontecerá sem estímulo das autoridades, sem estímulo da imprensa e sem uma escola com gestão e professores realmente abertos para isso. Não nego a necessidade de resolver a questão do PISO, pois o salário é um grande incentivo na melhoria das condições de trabalho, mas não pode mesmo ser a única prioridade do pensamento progressista. Bastou um ajuste no orçamento federal para a educação que a negação fácil se apresenta de novo. Mas sabem, em sua ligeireza de juízo, qual foi a evolução dos investimentos em educação dos últimos 20 ANOS? Sabem de fato que recursos foram reduzidos? Não sabem e o que vejo é a mesma velha mania de negação que vai sempre interpretar o bicho pela ponta do dedinho de modo a voltar para o senso comum. Por fim, faço um paralelo aqui ao que ocorre com a política. Tanto para a educação quanto para a política a negação só traz danos, pois não se segue da negação uma melhor política ou uma melhor educação. Isso não significa que temos que esconder os problemas ou abandonar as perspectivas críticas, mas sim que precisamos equilibrar isso com os aspectos positivos. Do contrário se investe em uma economia libidinal, cognitiva e volitiva que embrenhada na negação nada mudará e vai deixar as coisas piores, mais doentias e incuráveis. Os próximos dez anos serão extraordinários e eu tenho a mais absoluta convicção disso, mas deverão ser bem melhores se tiverem a participação consciente e deliberada, decidida e determinada de todos os nossos concidadãos. Incluo ai profissionais, pais, gestores e os jovens. 

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

ESSE JACK SPARROW MERCURIAL - NEW EDITION 2015

Lembrei de novo de Jack Sparrow - Piratas do Caribe - o que menos importa para ele é o tesouro. Ele está tão ocupado com sua própria aventura de viver e existir que os tesouros são adereços, assessórios de uma existência que por si só já é uma proeza...um sujeito perigoso porque é capaz de enrolar, envolver e enganar a todos e a si mesmo...haveria maior proeza da inteligência humana? Sim, convencer a todos de alguma coisa e ter a convicção de que é verdade. Os heróis mercuriais - caro amigo, tem este fascínio...na mitologia: ele é capaz até mesmo de roubar um rebanho inteiro do Sol...e ir churrasquear com os amigos. os mendigos e qualquer um que possa se alegrar junto de muita prosa, muita brincadeira e também alguns logros e malandragens

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

VIDA E PENSAMENTO COMO EXISTENCIAIS

Hoje, após alguns muitos anos de certa relação de admiração à distancia e pequenas incursões em pequenas obras e peças do existencialismo francês comecei a ler OS MANDARINS de Simone de Beuavoir. Confesso que Sartre é ainda para mim um ícone e uma espécie de grande revelação, assim como Camus, mas eu sei algo mais sobre ambos e outros e minha intuição não me engana que esta mulher era como que uma orientadora geral de muitos e me admira que as prioridades dela eram absolutamente articular o pensamento com a vida, sem representação, sem máscara, sem aquele excesso de interpretação e floreio e sem símbolos ou retórica. Nada hoje me toca mais do que isso: o pensamento deve ser vivido, senão não significa nada. E é por algo realmente existencial que os sinos dobram meu amigo, que as ideias surgem e os sonhos e desejos nos revelam. E só por existenciais que há arte e engenho, transformação e superação. E o trágico ali à sua espreita aguardando seu descuido. Tens medo? Ouse! Tens confiança? Sede prudente!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

O PROFESSOR CARLOS ROBERTO VELHO CIRNE-LIMA

O PROFESSOR CARLOS ROBERTO VELHO CIRNE-LIMA, em um vídeo ( AQUI) contando parte de sua história e seu pensamento. 

Fiquei pensando o que dizer e como compartilhar isso, em especial, para meus alunos e alunas, amigos e amigas, conhecerem uma parte da história deste homem e do pensamento dele que tanto influenciou, auxiliou e abriu obras difíceis, sistemas complexos e teorias para a compreensão de seus alunos. 

Eu tive o privilégio de ter sido aluno dele e de outros em minha passagem na Graduação da UFRGS entre 1989 e 1993 e fico feliz de rever as idéias dele e que sejam produzidos documentos que apresentam isto para todos hoje. É uma aula no tom próprio dele como foram ainda devem ser todas as aulas dele hoje. 

Para terminar fiquei pensando no trio do sistema dele: IDENTIDADE, EMERGÊNCIA DO NOVO & COERÊNCIA e me tocando sobre a medida de sua influencia em mim que sou ainda um menino às voltas com a filosofia e que ainda se emociona e se impressiona com ideias, conceitos e teorias, mesmo quando eles se repetem e se reapresentam para mim cada vez mais novos e atuais como já me alegraram um dia em sua descoberta ou encontro.

Olhei para o passado e fiquei pensando em como foi bom ter escolhido este caminho do pensamento, mesmo com todos meus hábitos e interesses práticos, técnicos e das artes e dos hábitos engenhosos que tenho desde a oficina de meu pai e o galpão de meu avô. E também fiquei pensando como me é reconfortante poder continuar nele como professor e ser humano, produzindo coisas, lições e agindo. 

Sendo, como disse hoje pela manhã para minha mãe, enquanto fazia uma pintura para reformar um simples varal móvel ainda um filósofo prático que gosta de fazer coisas e compreender como se faz elas bem feitas e com capricho para funcionarem direito e resolverem problemas.

As idéias de sistema de Cirne-Lima me cativam porque parecem práticas e simples e a história dele é interessante porque houve nela uma espécie de conjunção de contingências e possibilidades frente ás quais ele se saiu muito bem e é um homem realizado e isto nos serve de exemplo também, posto que parte da sabedoria que todos almejamos é conseguir isto, independentemente do reconhecimento de outros. Se é o que se é e quando se é novo podemos escolher um caminho de coerência ou ler nossa vida a partir de suas linhas de coerência.

Grande Mestre!!!       

EDUCAÇÃO, SOCIEDADE E ECONOMIA: EUA E BRASIL HOJE - PEQUENA NOTA

Bom Dia...A situação americana é mais grave do que imaginamos e vai depender muito de que de fato a crise econômica é uma página virada, e que ele consiga reduzir as desigualdades econômicas lá como disse o Obama ontem, com o primeiro crescimento econômico em 11 anos. Este é um artigo que dá pistas muito interessantes sobre a condição social americana o nivel e o impacto da desigualdade econômica lá e que nos deveria alertar sobre a importância dos investimentos, da manutenção de um padrão aquisitivo médio e da empregabilidade no Brasil. Muitos estão reclamando das medidas econômicas ( não alteração e reajuste da faixa do IRPF, cortes e etc) e dos aumentos de commoditties (luz, gasolina e etc). Eu poderia seguir na mesma direção e ficar aqui fazendo lamuria, mas sigo na  direção contrária. Creio que as medidas de Dilma podem nos ajudar a pagar a conta acumulada de sustentação e manutenção da economia durante o período de crise e recessão mundial que passamos e enfrentamos desde outubro 2008 e que - se o Obama estiver certo e os EUA estão se recuperando - e isso é bem mais importante na economia global do que parece, então podemos sair de um ambiente artificial de proteção e alavancar o crescimento econômico no Brasil. Não existe conta fácil, e a equação díiicil deveria ser feita pro inteira e vou perguntar se todo mundo tá fazendo a continha de por quanto tempo tanto a luz quanto a gasolina tem se mantido num valor que permitiu o consumo desenfreado de até então. Eu vou economizar luz e andar mais ainda de ônibus e espero que o nível de emprego e renda seja preservado no Brasil e olho para os EUA e esta realidade social deles e me alegro pelo Brasil, porque eu não tenho dúvida de que aqui as coisas estão bem diferentes e podem melhorar mais ainda no âmbito social e educacional do que estamos dispostos a avaliar. Estou errado em pensar assim? Quem quiser responder que me apresente argumentos e dados e não as ofensas e os desvios tradicionais. Um abraço...

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

BOM DIA - o TURRÃO ou BURRINHO REVOLTADO

Vou anotar aqui, então, que a coisa foi motivada por imperícia exclusiva do governador. A nota parece indicar que ele foi turrão e que em relação aos conselhos foi arrogante, fincou pé. É um sinal claro de que muita coisa será resolvida nesta lógica simplória e irrefletida. Aliás, que é a lógica que reproduz os tipos de raciocínios que o elegeram.  Resolve os problemas no modelo do burrinho revoltado, não escuta ninguém, não estuda nada, não aceita nada, não entende nada, nega qualquer diferença e assim vai indo o estado para o atoleiro e a vaca para o brejo. 

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

SOBRE A GRANDE CRISE DE JANEIRO DO SARTORI

Alguns ingênuos, bondosos, desavisados, fakes e mascarados reagiram hoje na tentativa de abafar a notícia do Correio do Povo sobre o IPE Saúde, que se somou ao aumento do salário dele, e minha posição e de muitos outros servidores e cidadãos que defendemos a interpretação do perigo disso para todos e também da questão do prosseguimento do descontos sem o devido atendimento por médicos credenciados tendo em vista a suspensão dos pagamentos. 

E apareceu de tudo na tentativa de impugnar nossa indignação e de proteger o bondoso governador que já levou um laço até da velha por causa do reajuste dos seus salários apesar da suspensão de pagamentos de fornecedores e prestadores de serviços ao estado, da não nomeação  de diversos concursados da área da segurança e, também, da suspensão de edital da TVE e da ameaça de privatizações ou fechamento de diversas empresas públicas de economia mista e autarquias. Além disso, para ofensa do corpo técnico de diversas instituições públicas como FEE, TCE, Secretaria da Fazenda e etc, - donde saem quadros de economistas para instituições de todo o Brasil e também ao exterior dadas suas excelências em formação e proficiência - o que só mostra que a questão não é de competência mas sim doutrinária e de concepção de objetivos, o digníssimo governador aceitou com sua equipe de sábio e técnicos um “trabalhinho” da Price Waterhouse, encomendado por instituição liberal clássica apontando a dívida do estado.

Eu não tenho a menor dúvida que o cardápio que eu descrevi acima não tem significado algum para alguns dos eleitores do Sartori, pois destes 61% provavelmente mais da metade já tiraram o time arrependidos só com a questão do reajuste do salário dele, imagina quando tiverem a dimensão do resto e do que significa o resto. Não é por nada que toda a imprensa ficou VEXADA com a sanção do Governador aos Reajustes.    

Ao contrário do que os relativistas de última hora tentam defender, a questão do IPE não é resultado da política do Tarso não, mas sim resultado das prioridades do Sartori. E se levarmos em consideração que o IPE saúde arrecada dos servidores contribuições mensais, então, o decreto do Sartori é um CALOTE aos servidores, pois continuará cobrando os descontos e não haverá assistência. E não precisa ser um gênio para entender isso não. 

Mas isso é, sem dúvida alguma, efetivamente decretar um surto de descredenciamento dos médicos em volume muito maior do que já houve antes...
Sobre a devolução do salário pela alma dadivosa e arrependida do Governador e do seu Vice recomendo que escutem o aúdio da Rádio Gaúcha com o comentário do Claudio Brito a respeito. E me poupo aqui de argumentar, relativizar e ajuizar sobre o faz de conta.

Mas eu sei que os ingênuos, bondosos, desavisados, fakes e mascarados vão relativizar tudo que ele fizer e sei porque....já vi esse filme antes com Britto e Yeda, até que.... NÃO DÁ MAIS PARA SEGURAR E AÍ LARGAM O BARCO E PASSAM A FAZER DE CONTA QUE NÃO TEM NADA QUE VER COM ISSO...fica bem fácil assim...o problema deles é que a terra é redonda e eu percebo que esta foi a última oportunidade deles darem este tipo de golpe no povo. 

Aqueles que acharam que o PT era ruim, aqueles que acreditaram que o gringo não tinha partido, sabem agora exatamente no que deu, pois deu em algo muito pior do que o PT e, talvez, esta seja a última passagem e o último cheque em branco que os espertos terão do nosso povo. Só me resta narrar, interpretar e denunciar, para não passar em branco e que se possa evitar outros danos intoleráveis.  
  
Assim, a defesa do Sartori e a relativização é apenas uma tentativa que não vingará, pois isso é a interpretação instantânea das coisas por parte deles para atenuar a grande canalhice dos fatos...


PUNK, ROCK E BATATINHAS

"A insônia é uma lucidez vertiginosa que poderia converter o paraíso num centro de tortura. Qualquer coisa é preferível à vigília permanente, essa ausência criminosa do esquecimento. Naquelas noites infernais eu passei a compreender a inutilidade da filosofia." 

Emil Cioran, aos 22 anos

SOBRE A EDUCAÇÃO MODERNA

Um menino pergunta para o pai o seguinte:

- Pai, eu tenho meu Laptop, Ipad, Tablet, MP3, Notebook, Smartphone, e vocês na escola o que usavam?

O pai responde>

- A cabeça!

Bem, além deste assessório, eu diria que os outros assessórios são lápis, borracha, caneta e um caderno...para anotar, desenhar, rabiscar, esquematizar, estruturar, narrar, descrever e fazer poesia...


E eu diria ainda que escrever para mim foi uma das grandes conquistas e eu me emociono até hoje com isso, com as possibilidades que isso me apresenta de expressão, troca, transmissão, preservação e transformação...

JÁ TEM GENTE DIZENDO QUE O CPERS VAI BRIGAR E QUE ANTES NÃO FEZ NADA

QUE MARAVILHA OUVIR ESTA FRASE AGORA MESMO - ESTAVA ESPERANDO -


Isso é o tipo de coisa que já estou acostumado a ouvir. Eu fiz greve contra todos os governos já. Seria importante que por um acaso quem pergunta se o magistério acordou ou foi dormir fez algum tipo de greve ou manifestação maior do que a verbal contra os outros governos ou o magistério e seu sindicato. Cansa a minha modesta beleza ouvir cobranças de mobilização daqueles que nunca se mobilizam ou não fazem sacrifício contra nada nem ninguém. E ainda há aqueles que debocham do sindicato sem sequer seguir as determinações dele e que sempre tem uma desculpa esfarrapada para não fazer greve, ou para não paralisar. E deveria causar algum tipo de reflexão maior o fato de que tem uma tonelada de gente que fala mal do sindicato, não vai em assembléia, nem contribui, goza suas férias perfeitamente, não recupera nem, greve nem paralização e quando o aumento vem, os direitos são preservados, goza junto estas conquistas sem nenhuma vergonha na cara nem mudança de conduta. Eu adoro ser professor e gosto muito de muitos colegas meus, mas tem uma naba no meio que não tem vergonha alguma em ser sempre a esperta e que adora justificar isso dizendo que é apolítica. E adoram reclamar da partidarização do sindicato como forma de desautorizar as lideranças do sindicato que não lhes agradam por perfil, por compromissos ou posições. Mas eu não vou mesmo brigar com meus colegas, porque a coisa está em 15 dias de governo Sartori ficando bem mais feia do que eles imaginam...

CONTRA O PASSADO ESQUECIDO

"A história da humanidade não é um hotelzinho barato onde alguém pode alugar um quartinho sempre que lhe convém; nem é um veículo em que se pode embarcar ou sair de forma aleatória. O nosso passado terá sempre para nós um peso sob o qual podemos entrar em colapso, enquanto nós nos recusamos a entender o presente e lutar por um futuro melhor. Só então, mas a partir desse momento, poderá esta carga se tornar uma bênção, isto é, uma arma na batalha pela liberdade."


Hannah Arendt, "Moisés ou Washington" (27 de Março de 1942)

domingo, 18 de janeiro de 2015

VELOCIDADE, LEMBRANÇAS E NUBURGRING

Bom Domingo...sou da geração dos meninos e meninas dos anos 70 que tinham uma visão romântica do automobilismo e de qualquer esporte "radical" que envolvesse velocidade e alguma forma de aventura. Ainda que nem todos pudessem ter carros e motos e etc. Mas isso passava em nossa vida por Skate, Bicicleta, Biccross, Mobilettte, Motocross, Moto-velocidade, Carros e etc e assemelhados....nós tínhamos alguns heróis nas pistas, Nikki Lauda que quase bateu as botas nesta pista fantástica era um deles e tínhamos também alguns mitos. Sentíamos que a tensão e a velocidade eram partes de uma aventura da vida, de algo legal, tri. Lembro de muitos pilotos e também dos meus amigos que gostavam e muito disso o que começava com meu irmão Rafa, o Gutya e outros que já se foram e nós os que ficamos Xaxa Luis Gall, Teobaldo Becker, Joel Stürmer, Juan Francisco Ibanez, o Dick Vigarista e alguns outros que até hoje curtem muito isso ainda que de uma forma ou mais profissional ou bem mais cuidadosa. Lembrei muito deles todos vendo esta TOUR por esta pista e também das nossas pilotagens mais arrojadas e audaciosas. Mas também lembrei das tragédias que nós vivemos e dos amigos que perdemos. E bem é num domingo de manhã que o Bidinho compartilha isso que é era para mim justamente a hora do dia dedicada a este tipo de esporte e competição. E nada me convence que a parte mais emocionante disso está justamente no cockpit, não é na televisão, nem na arquibancada. Compartilho isso aqui como uma lembrança carinhosa não para incentivar a irresponsabilidade na direção dos mais jovens, mas como uma lembrança de um tempo que já se foi e de um tipo de emoção que só quem já viveu compreende seu sentido. Quando correr e competir era como que conduzir a alma para a frente. No Bhagavad Gita tem uma passagem em que a solidão e a sabedoria da personagem Arjuna que deve decidir o que fazer se mostra em meio ao mundo numa guerra solitária contra seus parentes e com resignação aprende que é assim que tem que ser, que a vida e a morte estão no limiar de uma trajetória e que viver representa vencer sem temor as adversidades. Que pista e que vida...

A VIOLÊNCIA É UM PROBLEMA MORAL

Sinto que tem algo de muito próximo e grave entre estas duas pautas pesadas que estas duas semanas trouxeram à tona. Tanto o massacre de 12 jornalistas do Charlie Hebdo, o tiro à sangue frio em um policial deitado ferido que implorava píedade, o assassinato de reféns e o sacrifício em holocausto dos sequestradores e "terroristas" quanto o Fuzilamento do Brasileiro e Marco Archer Cardoso Moreira como pena extrema por tráfico de drogas na Indonésia, mesmo após a súplica da nossa presidenta e também as relações entre estados, religiões, culturas e nossas concepções de justiça e de liberdade - em meio a um choque multicultural que parece vir sendo necessariamente afirmado por relações de força e de violência, intransigência e desconsideração pelo outro e sua vida. E ainda há o impacto tremendo e horroroso para mim da dimensão palpitante e opinativa sobre isso que faz tábula rasa de direitos humanos, diferenças religiosas, étnicas e culturais e que só encara como solução aos problemas do mundo a extinção do outro. É aquela autoritária e conhecida solução absoluta. Na tradição do Nó Górdio de Alexandre. Não podendo desbaratá-lo corte-o fora, como se assim fosse resolvido o problema. Isso vale em relação às drogas, mas também em relação diversos conflitos religiosos e políticos. Não creio que seja racional assentir que é assim que deve caminhar a humanidade no próximo século e que deveríamos pensar para não conceder a esta insanidade ares de alternativa razoável à qualquer preço. Recomendaria muito que aqueles que queiram pensar à questão se dessem ao trabalho de se esclarecerem mais sobre este tema, antes de agirem e opinarem por impulso primário e simplório, orientados por emoções e ódios, raivas e ira que só levam a uma guerra de todos contra todos e não para um horizonte de paz, compreensão e superação pacífica dos problemas, do conflitos e das diferenças. A violência e o uso da força é um  problema moral e denuncia que algo anda errado não com a moralidade de um individuo ou outro, mas com a moralidade de uma cultura, uma sociedade, de um povo e de uma civilização na escala exata em que ela é aplicada como solução. Debater isto e arbitrar de alguma forma consentida sobre isto é um grande desafio da nossa humanidade. Sem isso as leis e o estado de direito continuam apenas sob o manto de sua legitimidade perpetuando a barbárie e justificando um erro sobre outro, o que não é caminho para a superação da imoralidade, nem traz à nossa civilização melhores dias.

sábado, 17 de janeiro de 2015

ADEUS PRIETINHO - DEVO SIM DIZER ALGO E DAR MEU TESTEMUNHO DE CARINHO E DESPEDIDA

Lá vai o Prietinho com sua máquina fotográfica, seu colete de fotógrafo e suas ideias sobre as coisas. Gostei muito da homenagem do quero-quero posto que retrata bem o Prieto que todos conhecemos. E me desafiei a por em palavras o que ele me faz pensar. Devo dizer aqui que tenho adotado uma simples ideia em relação a adversários e aliados na política: eles são o que são, dentro dos limites e desejos que conseguem ter e realizar. Assim, qualquer juízo a esta altura precisa ser benevolente, pois a refrega acabou, as divergências se dissolvem e a terra, o ar, o fogo e a água chamam cada home e cada mulher para o que é seu. Eu conheci ele desde menino muito cedo nos anos 70 e lembro com certa alegria do prefeito das florzinhas como alguns diziam na época, mas que era mais que isso. E olha que eu sinceramente achava legal esse negócio de florzinhas. Convivi e fui usuário de algumas realizações dele. Da Praça da Biblioteca e do Sequicentenário, da Biblioteca, da Avenida Unisinos que nós - minha geração próxima inteira na época - praticamente adotamos para descer de Skate e muito mais. Sou daqueles que gosta de uma cidade bonita e que tem completa aversão aos descuido com os passeios públicos. Pra mim era bom porque as praças do centro da cidade andavam bem mais belas e mais cuidadas que hoje. Em virtude talvez mais dos meus laços ideológicos originais e juvenis pouco convivi com ele, mas no período do Vanazzi pude conviver mias e até conversar e dialogar mais com ele em coisas triviais da cidade, históricas, culturais e políticas, indo então para além do símbolo e da ideologia. Em 2004 no meu ano Viscondino passeei com meus alunos no Martim Pescador e devo reconhecer que aquilo é sim uma bela obra e iniciativa. E conheço outras obras dele e também situações mais complicadas cujo debate é aqui desnecessário e irrelevante. Sou daqueles que não tinha dúvida alguma de que ele se elegeria vereador em 2008, por conta de conhecer ele e conhecer um pedaço da cidade que não foi e não irá embora nunca, mesmo que 90% da população vire estrangeira. Neste sentido não creio que ele é um dinossauro nem que seu perfil seja passado, pois ele representa na verdade não somente uma OLD SCHOOL  passadista, mas sim um tipo de perfil que pode até aborrecer aqueles que gostam de grandes emoções mas que anda na política da cidade e sempre andará, pois sempre haverá espaço para este tipo de homem mais mediador e pragmático. É algo incrível de fato que ele tenha caminhado todo este tempo sem esmorecer de seus propósitos e do seu trabalho. Fica dele um signo da persistência e também dessa espécie de elegância e afabilidade no trato da diferença  e isso é sim uma lição que deveria ser seguida pelos que detém o poder e pelos que almejam alcançá-lo. Não gostei mesmo da reaproximação dele á oposição ao PT, mas isso já são águas passadas. Mas guardo dele certa confidência que me é muito cara e valorosa e que me foi uma grande lição sobre o limite do poder e a necessidade de ser muito mais comedido, sem precipitações e sem extremismos, no exercício do mesmo. Tal confidência acompanhada de um arrependimento que quando a outra parte da história que ele me contou partir - e se eu puder falar - darei em testemunho e com júbilo porque é uma grande lição sobre com o devemos tratar nossos adversários e também aos servidores públicos no exercício do poder. Não posso julgar se ele seguiu isso a vida toda e em todas as situações, mas devo agradecer porque guardarei isto e creio que é importante dar este testemunho em tempos tão pesados e tensos na atual administração municipal. O quero-quero fez um texto excelente sobre ele e eu desejo que esta história seja sempre bem contada desta forma. Homenageio assim sua memória, abraço seus correligionários e amigos, amigas e eleitores, me comovo e me solidarizo com seus familiares e espero que a cidade valorize e cuide com mais zelo de suas contribuições que estão ai. Vai Prietinho, segue teu caminho, navegar é preciso....

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

VOTANDO COM UMA RAZÃO MORAL?

E eu que acompanhei e participei de todo o processo eleitoral fico pensando muito sobre este reajuste dos salários do governador e da elite, pois agora sou obrigado a afirmar claramente: ESTE É O GOVERNADOR QUE VOCÊ ELEGEU, não me venha falar em PISO SALARIAL DOS PROFESSORES, FALTA DE SEGURANÇA E PROBLEMAS NA SAÚDE PÚBLICA, ou sobre a importância disto na tua decisão de voto contra o Tarso Genro, porque você acaba de investir contra uma solução para isto E PONTO FINAL! Sem falar em tuas razões morais que só servem contra um partido...

SOBRE REAJUSTES DE SALÁRIOS E DÍVIDAS MORAIS

Lembrei agora que o prefeito de São Leopoldo que é médico iniciou a gestão em 2013 dando 20% de reajuste a sua própria categoria...depois disso para os demais trabalhadores é ZERO e ainda tem os atrasos no pagamento dos salários e o fechamento de unidades de saúde porque ele alega crise e dívidas...algo semelhante ao Sartori que aumentou seus salários e já vai ZERANDO as políticas públicas estaduais como começou na cultura....confere produção? é isso mesmo?

TERRORISMO - MÁ ESCOLHA DE UM EDITOR

Eu vejo o quanto o terrorismo não é o real problema internacional quando leio um FIRST DRAFT do NYT com uma foto em que em um encontro muito sorridente de Obama e Cameron esta se caminhando e tratando de terrorismo no mundo.

QUE BONITINHO NÉ?

- ABAIXO DO PISO E AUMENTANDO O TETO - E ASSIM CAMINHA DEMOCRATICAMENTE O RIO GRANDE

Assistiremos mais uma vez os maiores absurdos com ares de formalidade, legalidade, legitimidade e deveremos nos portar com civilidade, urbanidade e aquiescer às festas e esbulhos que a velha elite política gaúcha que atravessa gerações e gerações perenizada nas instituições nobres da República como Judiciário, Legislativo, Executivo e outros quetais com suas benesses e privilégios irredutíveis conquistadas meritocraticamente como vantagens bem adquiridas e que são sustentadas pelos ciclos de graça, riso e humor dos próprios cidadãos revoltadinhos, o cinismo dos moralmente afetados e a leniência dos descomprometidos com a política ou com qualquer atitude mais séria nos assuntos públicos e civis e isso é para nós um presente, uma gratidão e uma resposta afinal nós os sonhadores e os idealistas é que somos os mentirosos, trabalhamos pouco e nos empenhamos pouco e tentamos e não conseguimos e se conseguimos não conseguimos da forma como alguns queriam nem na medida em que alguns queriam e, eis que então, perdemos para os mesmos de sempre que voltam ao cenário com aquela altivez conhecida e aquela envergadura moral que jamais faz balanço do passado e que agora aprendeu a trabalhar pelo partido e sua gres negando ao partido e sua gres na campanha e depois fazendo somente aquilo que lhe interessa e que interessa exclusivamente aos seus. Que bonito né? Quando a conta for cobrada não reclame dos prejuízos, pois em todas as sociedades deste planeta há um momento em que a festa acaba...         

PROUNI DEZ ANOS

Lembro como se fosse hoje a chegada desta proposta....e foi um grande sonho: incluir e facilitar o acesso de mais jovens ao ensino superior, que teve que ser mediado pela realidade brasileira, contra um elemento do nosso sonho juvenil e do movimento estudantil que era fazer isso com Universidades Públicas e ampliar a Universidade Pública. Quem vai dizer hoje que foi um erro e que as universidades públicas de lá para cá foram sucateadas ou perderam verbas? Quem vai avaliar isso na ponta afiada do lápis?´Parabéns Prouni!!!  Quantos que não poderiam continuar a estudar aqui dependeram e dependem deste programa? Quem vai comentar este sonho mediado pela realidade e que criou uma nova síntese social e na educação brasileira?

DA INOCÊNCIA POLÍTICA E DAS DECEPÇÕES

DA INOCÊNCIA POLÍTICA E DAS DECEPÇÕES

Vi uma Postagem do Binô Zwetsch sobre as críticas das alianças do pt com pmdb em São Paulo que contrabalançava a entrada de Chalitta no governo criticada por toda a esquerda e etc, com as conquistas do governo Haddad e me lembrei de uma ideia que tive ontem:

Como Freud olharia para este campeonato mundial que alguns esquerdistas parecem praticar permanentemente de quem tem mais sonhos e de quem tem mais sonhadores?

Ideia que progrediu para pensar sobre a pureza e a inocência política preservada por aqueles que não assumem o poder executivo nunca e que com isso podem prometer e alardear uma completa vitória de alianças puras e coerentes, de relações dignas e adoráveis e de todas aquelas coisas preferíveis na nossa maior inocência e pureza de ideais.    

No destino de uma ilusão....ou - em um exemplo pior - como olhar para este discurso permanente de frustração e de decepção?

De alguns que parecem orfãos, ludibriados, enganados e que no fundo são somente em muitos caos lenientes e negligentes em seus compromissos políticos.

Não levar a sério as consequências de uma adesão a determinada política deve ser algo muito consequente no futuro....

Quem faz pouco caso da política por conta disso não pode reclamar mesmo das conseqüências disto...quando descobre que jamais a sua inocência governará dadas as condições atuais e não consegue se aliançar com outros para tentar mudá-las e avançar em conquistas...

E agora ao terminar o texto me lembrei de um jantar saboroso e do fato de que para fazê-lo e desfrutá-lo, também a louça deve ser lavada ao final ou no dia seguinte.

Então parece meio infantil de fato esta ideia de que haveria uma política que garantisse somente o exercício pleno do principio de prazer e que jamais haveria alguma imposição do principio de realidade.
É muito bom sonhar e precisamos sonhar, mas isto não basta...

Então para mim não existe maior traição ao sonho do que abandoná-lo porque a realidade é diferente, pois é ai mesmo que deveríamos encontrar a arte para torná-lo possível...

Apesar de tudo - me lembrei de Max Weber aqui - é preciso persistir e negociar e agir para a realização do sonho. ainda que para isso tenhamos que enfrentar pesadelos, dificuldades, desprazeres e fazer as malditas concessões aos demônios eleitos pelo povo...


O sonho que acabou, apesar de todo o teu sucesso pessoal e auto-satisfação moral - foi o seu, a ilusão que esmoreceu - apesar de você ter muitas dificuldades para reconhecer as bases de sua ilusão com toda a tua sabedoria conquistada e adquirida - foi a sua e o delírio que se dissolveu - apesar de você estimá-lo muito em seu íntimo e ter ele em altíssima conta ainda - foi o seu, meus sonhos continuam aqui comigo e com muitos outros e vamos andando...

OS SENTIDOS DO AMOR

O amor e o sexo às vezes me parecem uma forma de diálogo numa outra linguagem, um diálogo que mobiliza todas as linguagens e todos os sentidos, e ao contrário do que certos artistas pensam não é isso tanto um jogo de sedução ou somente de apreciação, não é uma arte a ser ensinada, mas algo a ser sentido e que só é sentido na mais simples sensibilidade, e algo que não é, dado a todos possuírem, não por ser inefável ou sagrado, pecaminoso ou abjeto, mas porque é algo do qual depende certa sintonia, certa afinidade, certa forma de comunicação e de surpreendimento em que o receptor e o emissor encontram a partir deles algo mais. Na literatura quando isto é posto claramente resta àqueles que não o sentem apenas a excitação, mas isso que para alguns parece pornografia e é tratado como tal ou peça de excitação é bem mais do que isso, ainda que quando é posto em palavras te apenas um cujo propósito é dar a quem contempla um prazer que não é seu, mas que poderia ser...Anais Nin e Artur Miller são - no amplo universo daqueles que já sentiram isso - os escritores e descritores que se exibiram ao tratar disto e eu agradeço porque esta matéria tratada cientificamente não tem muita graça, mas quando é posta em sua delicadeza é algo do humano que nos toca e nos alerta para sua importância, isso se ainda não percebemos ou sequer desconfiamos disto. E toda vez que alguém te pedir para te ver novamente lembre exatamente disto, recusando ou não....

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

SÃO LEOPOLDO E SUA ADMINISTRAÇÃO KAIDASSA.....

Ontem eu vi uma discussão tão desinteressante em duas postagens deles – dos que defendem o pior governo da história de São Leopoldo - que fiquei pensando em escrever sobre o quão pouco séria e pouco esforçada é a capacidade de resposta deles aos pontos que apresentamos ao discutir a saúde municipal em meus dois últimos textos. Eles presumem muitas coisas. Tipico de quem se ufana do poder e acha que sabe tudo. Adotam um estilo misto de nojentão e bobagento nos debates. Presumem que os outros não sabem nada sobre saúde ou OUTRAS COISAS. Acham que ninguém sabe o que é uma UPA, UBS, UBAM e Centro de Saúde. Falam de números sem nenhum critério de comparação. Tratam recursos públicos federais e estaduais como benesses e não dão sequer com precisão um quadro dos repasses e do porque da falta de repasses. Talvez nem saibam o que significa prestação de contas, contrapartidas, câmara de negociação e saúde plena. E quando não conseguem argumentar apontam os canhoezinhos para o governo federal, o PT, a Dilma, etc, em suas já conhecidas generalidades e ladainhas e prosseguem não respondendo aos pontos apresentados na questão da saúde municipal. Desvirtuam, tergiversam e adotam uma fala diversionista. Isso quando não mandam um fake qualquer começar a ofender, desrespeitar ou iniciar uma guerrinha de bugio para abafar a abordagem séria dos outros. São muito infantis e primários, agressivos e irracionais. Cada vez que vejo quem posta a favor deles ou quem defende ou ataca os outros querendo aliviar o lado deles, descubro uma criaturinha nova. Em geral um ilustre qualquer que daqui a dois anos não veremos mais em lugar algum desta cidade e que vai ser o primeiro a tirar o corpo fora quando se começar a corrigir as bobagens que eles implementam com ares de choque de gestão ou excelência em coisa alguma. Ali na terceira volta do mundo não estarão mais nem ai para o que disseram ou fizeram e provavelmente vão mudar de barco, navio, partido, corrente política como quem troca camisas. Até tento ver o que eles estão pensando e assim nem tento mais responder mesmo. Descobri que não vale a pena, descobri que não são sérios, que são aventureiros e que tem pouco a acrescentar em um diálogo seja sobre a administração público, serviço público, cpoisa pública, seja sobre a forma de tratar o outro cidadão que pagão salário deles e de respeitá-lo. São exemplares no desrespeito e na blague, na ofensa e na baixaria e não tem um currículo qualquer de obras, trabalhos ou ações de algum valor para apresentar. Nada sobre nada, só retórica. E vou mais longe para cada individuo destes para ver se há algo interessante ou relevante neles. E não veja nada. Se a gestão deles é do não, a carreira deles é do nada. Colaborariam sim com a cidade se soubessem fazer alguma cosia, mas a dita cuja formação acadêmica deles não traz nada de notável, nem uma contribuição social, econômica ou moral à sociedade, então, nada dizem para mim. São somente jovens arrivistas e presunçosos. Os mesmos que vi comemorarem com uma baderna de carro de som e beberagem a vitória do Moa na Rua Grande como se fosse uma festa rave ou a chegada de drogas numa boca de tráfico. Ganharam uma eleição como quem conquista uma boquinha, como quem triunfa em um assalto oportunista e defendem um governo como quem tem fidelidade canina ao dono que lhe alimenta e não racional, aparentam em sua conduta e palavras uma certa forma de bandidagem e experteza. Aliás, este é o traço mais forte deles a presunção e a experteza somadas, com uma certa ideia arrogante de que são imunes à crítica, só porque estão numa cadeirinha do outro lado desta vez e pro um tempinho. Debater com eles é vão. Argumento não vem, sempre se limitam à discutir generalidades - ao abrigo da ignorância e de um senso econômico desumano e vil - e jamais olham ou se compadecem para a realidade do povo que eles estão flagrantemente a agravar na violência, na saúde, no trânsito, numa parede que cai, numa rua que alaga, em uma casa, quadra, bairro ou região inteira sem água, no sucateamento e na redução dos serviços e na baixíssima qualidade dos seus gestores e apoiadores. Eu diria que é não somente o PIOR GOVERNO DA HISTÓRIA DE SÃO LEOPOLDO, mas, também, e não tenho alegria nenhuma em dizer, isto: O MAIS DESMORALIZADO POR SEUS PRÓPRIOS ATOS...mas eu sei que vai passar e que algumas pessoas vão acordar disto como de um pesadelo e de um mau pedaço pelo qual passaram. E sei mais, sei uma coisa que pode aborrecer alguns aventureiros e ambiciosos que pululam aqui e ali, mas que para mim é verdadeira, desejável e bem razoável, que a solução disso tudo que eles estão fazendo de errado vai depender de muita sensibilidade, experiência e sabedoria e não somente da vontade ou da audácia daqueles que adoram aproveitar o desespero do povo para inventar a quinta roda ou propor uma salvação ou solução mágica. Um abraço fraterno e cidadão a todos que sabem que não estou brincando de colocar uma letrinha atrás da outra aqui.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

SAÚDE PÚBLICA EM SÃO LEOPOLDO 2015

Veja só. Não vou desrespeitar nem ofender ninguém aqui. Nem vou tratar de todos os dados da saúde e do hospital e sistema de saúde de São Leopoldo. E isso deverá ser feito sim. Mas vamos por partes. Tem uma ala inteira no Hospital fechada na clínica C...aquela mesma que os empreiteiros e gestores de araque tiraram foto com o telhado e  o gesso desabado por imperícia deles próprios no início da reforma. Só ali devem ser uns 15 leitos por falta de funcionários. Se não conseguem fazer concurso algum para enfermeiros e técnicos, vão fazer hospital? A própria UPA foi atrasada porque não querem contratar, segundo a versão de alguns ex-apoiadores. Tem, segundo as queixas do povo e dos usuários, muita UBS por ai sem médicos e técnicos e centros de saúdes lotados todas as manhãs, Então não sei mesmo se esta gestão tem capacidade e resolutividade. Não vejo uma melhora qualitativa. Tinha até uma esperança confesso em relação ao Centro Capilé, mas cheguei lá num mau dia - para ser generoso - e acho que fizeram uma coisa mecânica ali sem as devidas adequações, planejamento e uso de expertise algum, e não há mesmo motivo algum para não aproveitar a unidade em frente ao hospital para alguns serviços relacionados às altas deste e traumato.  Li com atenção as matérias sobre o Centro de Saúde Capilé e digo que ele está muito longe da promessa para uma unidade que já tem quase 4 meses de funcionamento. Não me ufano desta situação nenhum pouco, mas sei que as crises sistemáticas no Centenário, fechamento de emergência, revolta dos funcionários, mudanças de chefias e várias outras não são lá bem sintomas de quem consegue gerir a saúde com tranquilidade e sabedoria para fazer um hospital novo e melhorar a gestão e a prestação de serviços. Com todo respeito as equipes da Secretaria, seus gestores, técnicos e servidores, mas falta algo que não é só dinheiro neste processo. Eu uso o SUS e tenho usado fazem muitos anos para familiares e para mim. Não reclamo do atendimento e dos servidores, mas vejo algo errado na gestão quando vejo o povo 4 horas em uma emergência, quando vejo tudo organizado e pessoas que são empurradas pára lá e para cá, quando vejo um sistema inteiro sendo preparado para não atender a todos de acordo com suas necessidades e urgências e que causa mais sofrimento para as pessoas. Isso não é o que eu chamaria de dar certo.Lamento mesmo e não tenho nenhuma satisfação em falar disto não. Ontem postei meu primeiro texto sobre a saúde em São Leopoldo, desde a posse do Prefeito Moacir e já fazem dois anos de governo dele e de suas equipes do PSDB-PMDB-PP-DEM e alguns do PSB que se achegaram já ao governo e à área da SAÚDE de novo. Não é por mágoa que digo isto: mas continuam culpando o governo anterior? E dizer que não houve ajuda e apoio do governo estadual e federal não vale. É uma piada a matéria que postaram ontem por aqui sobre a tal Reunião do Sartori com os Prefeitos das grandes cidades. É preciso mostrar os dados das transferências federais e estaduais para dizer que não houve apoio. Para variar voltaram para os atos de fala retóricos que só servem para distrair e disfarçar a incompetência. E não vou citar todos que apoiaram este governo e que na área da saúde já saíram e já foram rifados e que confidenciam aqui e ali que existem problemas de compreensão, de concepção, de finalidade e também de respeito aos trabalhadores, ao uso dos recursos e ao modelo de saúde a ser gerido e constituído. Creio que nos próximos dois anos a gestão poderia pelo menos manter a rede organizada e articular ela com o hospital e com o sistema de saúde e melhorar em muito a comunicação e a a oferta de informações e realizar concurso público para a área da saúde. Só isso já seria um pequeno, mas importante avanço e contribuição para que a próxima gestão seja de quem for faça o novo hospital e consiga colocar ele em funcionamento plenamente. A saúde do nosso povo não pode depender de politicagem, retórica e arranjos de ocasião. Me admira muito que tanto a Câmara de Vereadores quanto o Conselho Municipal de Saúde, o Cremers, o Simers e a OAB estejam em absoluto silêncio sobre isto que ocorre na saúde em São Leopoldo hoje co esta tentativa de centralização e a precarização dos serviços nas UBS e Centros de Saúde e as crises sistemáticas no hospital. Sou daqueles que em 2000 com uma bebê de  um ano no colo abraçou o hospital com os servidores e outros ativistas, muita coisa aconteceu de lá para cá, mas hoje as coisas, segundo a  opinião livre e não tutelada  da maioria dos servidores que conheço, estão bem difíceis por lá e o atual governo já está rejeitado na área e com toda boa vontade que muitos tiveram em relação a ele antes, sua credibilidade e perspectiva de melhoria na saúde se erodiu pelos seus próprios atos e ações e não por força da oposição ou de algum boicote dos servidores, a incompreensão do povo ou a minha má vontade. A expressão que ouvi de um excelente profissional é simples: Moa não é gestor e foi reprovado!

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

FEBEAPÁ DEMOCRÁTICO

SOBRE O TEXTO MALUCO CONTRA OS POBRES EM O GLOBO DE HOJE

Abriram a porta do hospício da elite brasileira e deram uma caneta ou tablet para cada um escrever e publicam em toda parte estas e outras estultícies sob o manto da liberdade de imprensa e de opinião e do eu posso, bem antes do eu devo ou é apropriado dizer algo sobre esta ou alguma coisa....é uma reedição do FEBEAPÁ em plena democracia...

Mas eu gostaria também de saber qual progresso para a humanidade ou a liberdade de imprensa um artigo destes representa? Estamos vendo os jornais assumirem posições de canalhice deliberada e isso é um péssimo sinal....de que o jornalismo é decadente e quem não há mais editores de verdade....e de qualidade...é uma coleção tão grande de bobagens que eu não deixaria publicar nem que fosse matéria paga ou da madame, filha, amante do dono do jornal....Nelson Rodrigues iria rir as gaitadas com esta bobagem...

O incrível é quando as pessoas perdem a vergonha na cara e resolvem dizer qualquer bobagem só porque pode ser dito...

E outros tão imbecis quanto julgam censura e falta de liberdade criticar um artigo destes e outros. Se julgam intocáveis. Mas veja bem quem tem liberdade de dizer o que quer deve dar ou melhor reconhecer a liberdade do outro e ouvir também a crítica....


Por fim, censurar imbecis não garante lugarzinho no céu, mas impede que se consagrem mais estultícies e bobagens neste mundo....porque é o tipo de bobagem contagiosa e viral...

SAÚDE EM SÃO LEOPOLDO 2015 –

Minha postagem com alguns Pós Escritos sobre a notícia no jornal VS, com justificativas financeiras e de demanda do fechamento do Centro de Saúde Vicentina e do Posto de Saúde na Vicentina, transformando o Centro de Saúde em UBS – Unidade Básica de Saúde, foi motivada principalmente pelo que vi e como reagi ao que vi e vivi com muitos outros cidadãos e cidadãs no sufoco e desespero de todos no Centro de Saúde Capilé na última segunda feira pela manhã. Link para o jornal Cortes mexem na saude de Sao Leopoldo. É a que segue:

Seria muito bom se desse certo. Fechando unidades periféricas e encaminhando tudo para o Capilé? Sei....Quem sabe o tal secretário dá plantão lá no Capilé para fazer valer o objetivo e o jornalismo decente de São Leopoldo resolve visitar o CENTRO DE SAÚDE CAPILÉ para ver o que está sendo criado lá - um brete de gado sem condições de trabalho e atendimento - e ver como está indo o atendimento lá?. se tem fila?, se tem informação?se a pessoa é bem acolhida e orientada? se tem consultas?, se tem médicos suficientes? Se tem servidores suficientes para dar a atenção de direito aos cidadãos e cidadãs? Se os telefones atendem e dão informações claras na secretaria de saúde e suas unidades?, se é possível marcar consultas com especialistas por telefone ou internet?, se o hospital consegue dar alta a pacientes com marcação de consultas das devidas especialidades? Se para dar seguimento ao tratamento de acordo com o grau de urgência há algum protocolo? Se as agendas dos médicos e os horários de trabalho estão fixados nas paredes das unidades? Se o vale tudo, o quem chegar primeiro ou o amigo do amigo continua sendo vantajoso? Eu estive lá por necessidade e não curiosidade e fiquei impressionado com o que vi. E não adianta culpar a administração anterior. Resolutividade e eficácia se implementa ou não. Estão centralizando tudo para reduzir equipes e custeio mas com isso vão acabar por agravar os problemas, aumentar o sofrimento de idosos, crianças, familiares e pacientes. Depois os mesmos dirão que no convênio, ou na Unimed, ou no particular é melhor? Sei..onde bem isso vai dar.....e lamento mesmo pelo povo e pelos funcionários, pois mesmo aqueles que acreditam nesta solução vão acabar por descobrir seus erros, equívocos e enganos.E é lamentável que o Prefeito Médico consiga realizar isto, com o seu pior governo da história de São Leopoldo.....

P.S.1: Não tinha falado acima que o elevador para os cinco andares do prédio está estragado e que os consultórios médicos ficam a partir do segundo andar. O elevador a menina servidora que me atendeu falou que vai estar instalado ou consertado em março...mas eu pensei no CREMERS, SIMERS, OAB E ETC que estão muito preocupados com isto e tanto que não dão um PIO.....

P.S.2: Eu fiquei revoltado ontem lá no atendimento e o povo apoiou minha reclamação como que dizendo UFA – PELO MENOS ALGUÉM BRIGA PELA GENTE – e eu imaginei exatamente isto: O JOGO DE IO IO das pessoas para lá e para cá..quando anunciaram que consulta com neurologista é só na semana que vém, que Marcus Chaves – cardiologista - só outro dia, que tem que renovar o cartão do SUS e que é culpa da administração anterior e etc..e ontem isso me comoveu muito e foi por isto que me indignei daquela forma.

P.S.3: Eu no meu caso estava lá para marcar as consultas para uma idosa de 80 anos - pós AVC – e estas foram para a primeira quinzena de março...assim, em qualquer emergência irei ao hospital e tentarei buscar consultas com clínico geral no centro de saúde que estiver aberto...ou PARTICULAR...que é exatamente o que eles parecem querer provocar com este jogo deles...e fiquei pensando no povo que não tem recurso ou por onde...


P.S.4: Para um cara que colocou os cachorros em mim falando mal do PT e da Dilma e etc eu só disse o seguinte: Não estou brincando de ter opinião aqui ou de achar isso ou aquilo. Fui a centro capilé para buscar três consultas para minha mãe de 80 anos que teve um AVC. O ponto em discussão para mim é o que eu disse ali. E é real e não é briga de bugio que não é de meu feitio, nem da minha biografia. 

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

ATITUDE TÍPICA DA CANALHA

A primeira medida da nova diretora da Casa de Cultura Mario Quintana (indicada legitimamente pelo novo governo): foi mandar retirar uma placa que muitos artistas gaúchos fizeram nas ‪#‎CONEXOESGLOBAIS em homenagem póstuma ao inesquecível ator Marcos Barreto, que exercia a função de diretor da CCMQ quando faleceu, em 2011.

O Marcos foi quem deu o pontapé para que a CCMQ recuperasse as suas funções públicas e chegasse a um patamar muito melhor ao final de 4 anos.


Não se faz política pública e gestão cultural com tamanha mediocridade e promovendo vendettas e retaliações à memória dos outros. Espero com muitos outros artistas e ativistas culturais que os recém chegados tenham a dignidade de rever a sua política para a CCMQ e reparar esta afronta covarde à memória de quem por lá passou... Isso não é digno de quem defende a cultura e as artes no Rio Grande do Sul!!!

ALL WE NEED IS LOVE

BEATLES - ALL YOU NEED IS LOVE

Bom Dia...eu quero agradecer aqui com palavras que traduzam meus cinquenta anos e passando pelos diversos grupos de relações e amizades agradecer os votos que recebi de feliz aniversário...são votos de amigos e amigas que conquistei e que me conquistaram com afetos, amizades, lutas, pautas e razões ao longo desta jornada de 50 anos como ativista cultural, ambiental, político, no movimento estudantil secundarista e universitário, colegas de casa do estudante, biblioteca, colegas de universidade, amigos e amigas da vida na minha cidade natal, companheiros e companheiras de partido e de luta, alguns amigos e amigas de minhas experiências ocultistas, astrológicas, excêntricas e culturais, meus alunos e ex-alunos de Porto Alegre, Campo Bom e São Leopoldo, meus colegas professores e professoras que são tão importantes para mim como meus familiares, meu colegas sindicalistas do CPERS que me são tão caros e que me conhecem bem e me mantem motivado sempre a lutar sem medo e sempre em vez de ficar chorando ou reclamando da vida pelos cantos e corredores das escolas, meus diversos conhecidos que conquistei em canteiros de obras com meu pai e me irmão, meus colegas e companheiros de administração municipal pela Educação, Saúde, Cultura e Gabinetes e funções diversas que exerci com muito orgulho com o Vanazzi entre 2005 e 2012 os quais me ensinaram muitas coisas e colaboraram para que conseguimos atingir objetivos, resultados e realizações que mudassem a vida do povo, e nisso uma atenção especial aos funcionários públicos municipais com quem compartilhamos aquela jornada e com os quais preservamos relações de amizade, solidariedade e sonhos, devo agradecer também alguns dos meus e nossos leais e bons adversários que fazem política por bons motivos e que procuram de fato fazer isto com grandeza e altivez e que não são aventureiros oportunistas que procuram apenas tirar vantagem das marés da opinião pública, àqueles que não se assoberbam no poder nem usam o poder à serviço da sua vaidade ou necessidade de vantagens o que vale para muitos companheiros meus que ressalvadas as diferenças de opinião, de concepção, de conhecimento ou projeto são muito leias e valorosos e pessoas que sempre terão minha torcida por seus êxitos e sucessos, agradecer também meus familiares, meus íntimos....e contar que ao completar 50 anos iniciei o dia no Hospital Centenário com minha mãe e acabei o dia com ela em casa, após a intercorrência de um AVC na segunda-feira passada que a levou a hospitalização, bem acabei comemorando meu aniversário com aquela pessoa que em janeiro de 1965 me trouxe a este mundo e também com a Regina Porto e quase todos os seus familiares, esta minha esposa, colega, companheira e consorte que nasceu no mesmo dia que eu e que, por um acaso, acabou após ser minha leal e ótima colega, por viver, trabalhar e criar minhas filhas comigo nos últimos dez anos....todas as lembranças e votos que recebi me deram uma ideia - da mais singela à mais emocionante mensagem, e houveram tais que me colocaram com lágrimas e com um afeto no coração e ideias na cabeça inesquecíveis....bem vou terminar o discurso dizendo só isso: TUDO QUE VOCÊ PRECISA É AMOR, e eu agradeço muito o amor e a compreensão, o carinho e o respeito, as lições e os apoios que tenho recebido nestes 50 anos, ontem parte do que recebi me lembrou isto e isto para mim é exatamente o que eu preciso, o que me dá sentido e o que eu preciso retribuir: MUITO OBRIGADO!!!!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

O HORROR PARA TODO LADO

- Vivemos um tempo terrível em que a covardia, a pequenez, a mesquinharia, a mentira e as intenções mais vis e perversas não tem vergonha alguma de se exibir na rua, nos jornais e nos parlamentos. Isso me dói a alma profundamente. Comentei com minha irmã e um amigo que neste tempo algumas pessoas agem, falam e defendem bobagens sem nenhum remorso ou culpa. E disse que sabia que o erro era possível e nos é dado a todos mas que errar com consciência do mal que pratica somente porque eu posso fazer impunemente ou porque os prejudicados tem certa desvantagem é um deboche a justiça e a toda e qualquer racionalidade. Alguns tem até um orgulho da vantagem solertemente obtida, da oportunidade assacada, da ignorância explorada, do triunfo de certa supremacia da autoridade ou do monopólio da comunicação e fazem uso desbragado disto e do poder de quem o tem em mais, de quem chegou primeiro, de quem é ou foi mais forte um dia ou mais perfeito outrora, e quem tem um poder qualquer. E que fico pensando´- para além de uma moral ou religião - que tipo de pessoas conseguem viver desta forma em relação ao próximo? E este não é um problema só da esfera polítrica não...e este grande vale de lágrimas que é o mundo prossegue com este enredo e com um roteiro cada vez mais visível e previsível. Não sou pessimista, mas não consigo tirar muitas razões dos pessimistas...que fase...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

O LIMITE E O FIM DA REPRESENTAÇÃO - PEQUENA NOTA EM BERGMAN

Abri Imagens de Bergman, na manhã de hoje na página 220 e comecei a ler sobre DEPOIS DO ENSAIO, na voz de Ingmar Bergman e eis que fui dar uma bisbilhotada e encontro esta bela crítica e de certa forma introdução e contextualização do tradutor da peça ao português Amir Labaki e descubro que a peça está sendo encenada no Brasil. 

E fico feliz porque uma das coisas que eu mais gosto em Bergman é a busca de um significado e o realismo que aparecem sempre em suas obras. No presente caso tenho intuído muito sobre o tema do limite e do fim da representação via artes plásticas - donde cheguei pela lógica - e agora isto me aparece claramente também nas palavras dele. Não sei se por um motivo exclusivamente emocional, mas também por uma certa imposição da verdade e da dignidade dos nossos sentimentos verdadeiros. Bergman fala claramente ai contra uma forma ou técnica de representação que busca a verossimilhança e me parece que na sua objeção à esta técnica  há somente um requisito a busca não somente de um suporte para uma personagem parecer ter tal ou qual sentimento, emoção ou situação sendo vivenciada numa certa intensidade que provoque a comoção da platéia e a admiração da crítica ou de um analista, mas sim o sentimento verdadeiro, o que há de sagrado no sentimento e na emoção que se encontra "depositada" ou construída em uma peça justamente por sua grandeza e qualidade. 

Eu sinto mesmo que ele percebeu que o limite da representação é justamente o fim da representação. Que o auge ou ápice de um sentimento e de uma personagem só é realmente atingido quando desaparece o liame entre representação e representado, quando o sentimento ou emoção se apresenta em sua plenitude sem nenhuma gota de representação no ator. Quando o ator passa a ser o outro em sua verdade. Veja que ele fala disso para nós a certa altura (p.226 de Imagens) e conclui com a questão de como dar um Epílogo à altura deste tema. Bergman diz que:

"Penso e repenso se afinal não quero deixar também o teatro. Hesito. Às vezes ele me parece imensamente divertido, outras não sinto vontade de continuar. Esta minha dúvida se relaciona com a opinião que tenho quanto atécnica de interpretação. Se fosse músico não teria quaisquer problemas. Mas isto de criar uma ilusão, de representar! Os comediantes representam comédias e eu os incito a isto. Por vias tortuosas tentamos conseguir impulsos emocionais que o público irá tomar por sentimentos, até por verdades. Ora isso começa a ser difícil. Sinto uma aversão crescente perante o próprio milagre da interpretação teatral. Ao mesmo tempo ainda há obras dramáticas que me atraem...mas isso é porque vejo certos atores nos papéis nelas existentes, atores que possuem uma capacidade total e rara para interpretá-los. Penso nessas coisas com calma. Não farei uma ruptura abrupta. à minha mesa de trabalho distraio-me o mais que posso. Escrevo para meu prazer, não para a eternidade. A questão é saber como irei organizar o Epílogo."

Não se trata para mim, pelo menos, de uma autoficção em Bergman por conta de suas narrativas autobiográficas, mas sim de uma busca da verdade e do fim da representação em sua vida. Ele me parece querer a todo instante em Imagens dissolver as ilusões - inclusive as nossas -ou colocá-las em seus devidos limites. E isso não ocorre porque ele estava deprimido, mas sim porque toda a trama de sua vida pelo que se depreende das suas narrativas envolve para mim uma busca da consciência, mesmo quando esta não lhe é confortável. 

Veja o texto de Labaki Bergman e autoficcao em depois do ensaio.    

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

PARA MINHAS NOTAS SOBRE O FIM DA REPRESENTAÇÃO NA ARTE, MIRÓ ET ALII

“Uma contribuição ulterior ao estranhamento entre o subjetivo e o objetivo provém de uma outra faculdade da capacidade de pensar. A reprodução da percepção na representação nem sempre é sua fiel repetição; ela pode ser modificada por omissões, alterada por fusão de diversos elementos. A prova da realidade precisa, então, controlar até onde vão estas deformações. Mas se reconhece como condição para a instalação da prova da realidade que tenham sido perdidos os objetos que um dia proporcionaram uma real satisfação.”  

FREUD - A NEGAÇÃO       

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

E CHOVE

Agora chove daquela forma que eu mais gosto. Já tive o prazer de escutar e ver a chuva ao longo da minha vida de diferentes maneiras e em diferentes momentos e cada vez que ela ocorre meus sentidos ficam aguçados como se estivesse a ouvir a natureza viva. Ela me distrai e me concentra ao mesmo tempo. Ocorre com ela a mesma coisa que me ocorre com o mar e as ondas batendo na praia: sinto a presença da força da natureza donde todos nós ganhamos a vida. E esta força mostra que a vida vai prosseguir para além da nossa existência física. Sempre gostei da chuva e escuto ela pesando sempre naquilo que ela significa para a vida deste planeta. A fonte suprema de energia e de toda a nossa materialidade.

INQUIETAÇÃO E CRIATIVIDADE

Andei pensando em meus amigos e amigas inquietos, intratáveis, agitados e agônicos, naqueles que agitam e nos atordoam, naqueles que não nasceram na década dos diagnósticos de TDAH, nos não medicados e que conseguem andar de cabeça erguida neste mundo, nos que sobreviveram as repetidas  e persistentes tentativas de domesticação, controle, manipulação e também moralização, repressão e castração e eis que li algo que para mim foi posto em uma mão improvável, mas vamos lá:

"O mundo deve todas as suas criações aos homens inquietos; o homem feliz basta-se com os antigos limites." Nathaniel Hawtorne. A casa dos sete oitões.

VAN GOGH E O CAMINHO DA SABEDORIA: AMOR E CONHECIMENTO

“Eu estou sempre inclinado a acreditar que o melhor caminho para o conhecimento [divino ou absoluto] é ter um amor realmente grandioso por algo. Ao amar esse amigo, aquela pessoa, aquela coisa, o que quer que você goste, você estará no caminho certo para acabar por conhecer isso mais a fundo; é isso que eu digo sempre para mim mesmo. Mas você deve amar de forma realmente elevada, seriamente e com uma simpatia intima, com uma vontade, com inteligência, e você deve sempre procurar conhecer mais a fundo isso, cada vez melhor, e cada vez mais.”

VAN GOGH - CARTAS A THEO