domingo, 22 de dezembro de 2013

GOODBYE PETER GEACH: O FIM DE UM TEMPO DA FILOSOFIA ANALÍTICA INGLESA

Lá se foi Peter Geach...bem que andei por duas semanas envolvido com filosofia inglesa contemporânea pela leitura de Colin McGinn e acabei me lembrando das muitas lições que recebi direta e indiretamente deste casal de filósofos notáveis. A Sra. Anscombe para mim por An  Introduction to Wittgenstein's Tractatus & Intention, e Peter Geach por Three Philososphers: Aristotle; Aquinas; Frege que escreveu com ela, e mais uma plêiade de ensaios que nós líamos impressionados com seu estilo argumentativo, finesse e erudição. 

Foto do Casal Anscombe e Geach no filme Closer, 2004 - 
dica do Dr. Alexandre Noronha Machado. 

Creio que a filosofia analítica inglesa como a conhecemos ao fim do século XX concluiu um capítulo que envolvia a herança de Frege, Russell e Wittgenstein e se fecha com esta personagem. Não é minha especialidade nem a filosofia inglesa, nem a filosofia analítica, então devo ser bem prudente em meu comentário aqui. 

Mas chamo atenção aqui aos curiosos porque tem sido efeito - ainda que por analogia e por uma marca de efeméride tão particular como esta - , que para mim o desaparecimento de um filósofo é também o momento a partir do qual as respostas e a sua voz deixa de se apresentar e tudo passa a ser abordado por testemunhos, arquivos, interpretações e aproximações. Uma voz se cala e restam seus ecos para nós compreendermos. 

E é o fim de uma longa vida dedicada a sabedoria. É uma verdadeira graça poder viver 97 anos e testemunhar, pensar e lecionar todo este tempo nas tarefas da sabedoria. Por fim, Geach e Anscombe eram filósofos cristãos e uma parcela razoável do seu pensamento se ocupou também de questões e aplicou-se também a questões de doutrina e de fé, a partir do background filosófico deles e dos resultados filosóficos que eles atingiam. Neste sentido agora talvez eles se reencontrem, após 12 anos da partida de Anscombe...descansem em paz...

Nenhum comentário:

Postar um comentário