segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

FREUD, IRLANDESES, PSICANÁLISE, CRAIC E INTERPRETAÇÃO

A expressão de Freud sobre os irlandeses que circula pela internet já com ampla liberdade tem um caráter intrigante e já causou bons debates. Provavelmente, bem dispostas e compreendidas as diferentes e amplas versões de traduções que encontrei terá que ser analisada em sua complexidade e aparente ambiguidade. Deveria fazer aqui uma análise hermenêutica usando os pés ligeiros e a multiplicidade significativa do velho e bom negociante Hermes, para desenlear esta trama em torno da expressão.

Gadamer – em Verdade e Método, fala da nossa necessidade de evitar intuições ou noções populares, na tarefa da interpretação.

Começarmos dizendo, então, que a pior hipótese explicativa da expressão é que ela não passa de uma expressão xenófoba de Freud, a expressão de uma aversão a um povo. Mas daí Freud estaria simplesmente reproduzindo o preconceito e a fleuma inglesa sobre os irlandeses. E o caminho desta explicação seria facilitado pela moradia de Freud em seus últimos anos de vida na Inglaterra. Mas não é isso.

Já a segunda hipótese, mais nobre, trataria de um caráter completamente próprio da forma mental deste povo, a saber, que eles pensam em diversas freqüências ao mesmo tempo, apesar da aparência emocional e emotivista deles. Quero dizer que eles tem o hábito de fazer diálogo consigo mesmos de forma tão intensa que de nada serviria mais um interlocutor sobre desejo, trauma, culpa e etc., em um salão cheio já de debatedores na consciência irlandesa.

Mas, na verdade, após isso devemos dizer que A Verdade é que Freud nunca disse isso. Esta expressão é também usada por uma personagem de Matt Damon em Os Infiltrados (2007). É uma expressão que no contexto do filme diz: NÓS DESCENDENTES DE IRLANDESES SOMOS TÃO DESGRAÇADOS, TÃO TRAUMATIZADOS E DOIDÕES QUE NEM A PSICANÁLISE PODE NOS TRAZER CONFORTO, CURA OU REDENÇÃO! só isso.

E o autor dela no texto a tomou da internet sem nunca ter verificado sua origem. Após o filme gerou mesmo algumas discussões e se concluiu que ela é derivada de uma expressão irlandesa que diz que: “Esta é uma corrida de pessoas para quem a psicanálise não tem utilidade alguma.”    

E quem é descendente de irlandês e tem alguma forma de influência cultural disto em seus hábitos e formas de ser, sabe que isto é apenas um Craic, um recurso de humor, quase maníaco e bem habitual dos irlandeses, que fazem eles falar com muita facilidade fazendo ironia de si mesmos e debocharem de suas próprias mazelas, troçarem da própria miséria ou sofrimento que é típica de irlandeses.

Márcia de Souza uma ex-blogueira trata assim a questão:

“O craic também pode ser definido como fazer coisas tipo pregar peças nos outros, e outros atos que demonstrem anarquia ou rebelião. E novamente ele menciona outra razão porquê Freud não conseguiu ter muito sucesso por aqui. Ele não entendeu que a mente do irlandês é dividida em três partes: o consciente, o subconsciente e a parte que faz coisas pelo craic.”        

Então a expressão "dentre todos os povos do mundo, os irlandeses são os únicos que não podem se beneficiar da psicanálise". Não é de Sigmund Freud, mas sim do escritor ou roteirista do filme...

Como eu tenho pelo menos alguns traços genéticos irlandeses fiquei feliz e triste ao mesmo tempo, quando descobri isto...mas penso que a notícia que esta ironia nos traz não é mesmo boa: ou somos incuráveis ou a coisa é tão grave que nem a psicanálise pode com nosso gênio e caráter psíquicos...

Disse que quando descobrisse mais sobre isto postava, e foi o que fiz.

Assim, isso pode ser apenas um troça de nós e de si mesmo, que seria posta na boca de Freud, porque segundo alguns Freud também teria uma herança genética irlandesa.

Mas isto é apenas uma curiosidade na real...meus queridos descendentes e seguidores de Saint Patrick não precisam abandonar os consultórios ou clínicas não...continuem tentando, pode dar certo, afinal.


Pode ter também um outro contexto que esclareça isso melhor. Parece que à primeira vista esta é só mais uma lenda freudiana que a licença poética do roteirista concebeu e que hoje circula com pernas próprias por ai. Mas, mais exatamente, penso que é sim uma grande auto ironia dele...É para mim também só mais um Craic... 

3 comentários:

  1. é assim mesmo ,tenho sangue irlandes herança e é dificil viver sociavelmente

    ResponderExcluir
  2. é assim mesmo ,tenho sangue irlandes herança e é dificil viver sociavelmente

    ResponderExcluir
  3. é assim mesmo ,tenho sangue irlandes herança e é dificil viver sociavelmente

    ResponderExcluir