sábado, 23 de novembro de 2013

A PERVERSIDADE DO MAL EM JOAQUIM

Para mim também é fundamental sustentar e acusar, em defesa da democracia e do respeito à vida, que a ação do Sr. Joaquim Barbosa, que ameaçou gravemente a vida de José Genoíno, me lembra muito o tipo de perversidade que é antitética à tese da banalidade do mal de Hannah Arendt. 

Quer dizer, a banalidade do mal existe naqueles que aplaudem a ação de Joaquim sem nenhuma reflexão ou com plena e manifesta ausência de pensamento reflexivo e sentimentos humanitários. 

Vou tentar ser bem claro aqui neste ponto. Não se trata ai, no caso de Joaquim, de um burocrata que executa ordens superiores sem pensar, mas sim de um autocrata absolutamente responsável pelo seus atos, pelo modo como age e pelos objetivos da sua ação. E os objetivos da ação já ultrapassaram em muito a exemplaridade ou a intenção de provocar alguma forma de demonstração coercitiva contra corruptos. Ele passou direto para o quesito de sua máxima vaidade, visibilidade e pessoalidade em sua ação. E não estou entrando nos pormenores legais dos seus atos que são até formalmente mais graves como demonstram Ives Gandra Martins outros juristas de renome nacional.

Para exemplificar melhor minha tese de completa insensibilidade e desumanidade, também esposada por Paulo Moreira Leite e Luis Nassif e diversos outros críticos de opinião ilibada e responsável teórica como Renato Janine Ribeiro, Bandeira de Mello, que falam em sua maioria sobre o homem mau, ou seja, não avançam o sinal por mera e preservada cortesia, se poderia  fazer um paralelo entre o caráter das decisões autocrática deste homem, suas consequências e a conduta tipificada de psicopatas. Os psicopatas como todos devem saber demonstram de forma reincidente total ausência de empatia e humanidade pelo próximo ou por seus semelhantes, demonstram total ausência de sensibilidade e respeito à vida do próximo. 

Não poderia compará-lo à um Robespierre - o carrasco da revolução - por considerar um desrespeito com a revolução francesa e julgar incomparável em qualidade a “revolução” que Joaquim pensa fazer no Brasil com seu destempero e irracionalidade. 

Para piorar observo à sua volta OS ANÕES MORAIS...em pleno exercício de suas maldades e de suas ações sem escrúpulos e a VELHA CANALHA, sim aqueles que fazem discurso moral incompatível com suas condutas e demonstrações de falta de juízo sistemático e reincidente nestas matérias. E o pior exemplo de todos é o do ex-presidente FHC. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário