quarta-feira, 25 de setembro de 2013

O DISCURSO DE DILMA: O FUTURO DA HUMANIDADE

AO DISCURSO DA DILMA: O FUTURO DA HUMANIDADE  

"Desejar o desejo de um outro é, então, em
última análise, desejar que o valor que eu sou
ou que eu 'represento' seja o valor desejado
por esse outro: eu quero que ele 'reconheça'
meu valor como seu valor, eu quero que ele
me reconheça como um valor autônomo. Dito
de outra forma, todo desejo humano,
antropogênico, gerador da Consciência de si,
da realidade humana, é, em última instância,
função do Desejo de reconhecimento."

(Kojève, 1947, p. 14)

Dilma fez um discurso na ONU ontem que é digno de ser mais compreendido, reconhecido e colocado com seu valor exato e peso exato no registro histórico e político devido.

É por absoluta ignorância ou pequenez que ninguém ainda observou que, ao discursar ontem Dilma, se colocou à frente do seu tempo, não porque trouxe algo novo, mas simplesmente porque renovou um discurso e uma promessa que muitos abandonam quando chega a sua vez de cumprir sua parte neste acordo universal. E nós não podemos assistir a isto e nos omitir perante isto. A promessa que ela reapresentou ontem é aquela que dá sentido a qualquer projeto de humanidade, com racionalidade e respeito à diferença e à possibilidade de uma comunidade pacífica entre as nações. E é muito triste que esta promessa tenha que ser lembrada não como afirmação de um ideal comum, mas sim como uma cobrança de mudança de atitude e necessidade de repactuação perante a nação militarmente e economicamente mais poderosa do mundo.

Ela falou de uma proposta de humanidade inatacável na ONU, de uma proposta de humanidade que subjaz e justifica a criação da ONU, ela envolve o respeito à soberania nas relações entre os povos, a defesa de igualdade social, a garantia de direitos civis e individuais. Ela falou daquilo que alimenta um ideário muito nobre, mas também legitimador, contra todas as formas de dominação, submissão e exploração vigentes neste mundo desde o início da modernidade e que são objeto da nossa rejeição.

Estas dificuldades que são aqui e ali enfrentadas por muitas nações, povos, tribos e culturas frente à outras culturas. Este apelos por um mundo de relações diferentes entre os desiguais, tem sido feitos de formas muito marcantes inicialmente nos países de língua inglesa, Inglaterra e as colônias da Nova Inglaterra nos séculos XVI e XVII.  Estes apelos estão nas origens e são ideários que constam nos primeiros panfletos burgueses da Inglaterra quando os súditos reivindicavam cidadania, respeito á vida e limitação dos poderes da nobreza e da coroa.

A Declaração da Independência Americana de 1776 é uma documento depositário destes ideais e sonhos de nações livres e iguais entre os povos.

Estes ideários forma reforçados na Revolução Francesa com as palavras de Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Mais tarde estes ideais guiaram e deram razão e geraram lutas muito intensas por independência dos povos coloniais contra o imperialismo europeu e americano pelo mundo. E nós aqui, os gaúchos, só nestes ideais podemos fundar qualquer elogio à Revolução Farroupilha, pois afora isto muitas críticas são possíveis e necessárias. Por isto pontuei o Massacre dos Porongos, no dia 20 de setembro, porque ele representa de forma dolorosa, covarde e mesquinha, justamente a traição destes ideais.  

E a defesa da liberdade individual que tem sua origem e que foi multiplicada no grito de liberdade dos escravos, no grito dos negros contra a discriminação racial, nos gritos e lutas de muitos movimentos civis e sociais por direitos e por respeito a sua autonomia, opções, escolhas de vida; e, também, importa muito falar aqui no respeito não somente conceitual ou acadêmico entre vida privada e vida pública, no respeito à intimidade e a esfera privada de cada ser humano e no respeito e solidariedade aos outros, estão sim registrados num ideário do futuro da humanidade que não pode ser negado sensatamente.

É bom que Dilma tenha expresso isto com suas palavras de presidenta da nossa nação soberana.

O problema – que muitos néscios, ignorantes, desinformados e irresponsáveis e toda uma turma do VALE TUDO e dos que topam QUALQUER NEGÓCIO, não conseguem ver é: Como é que o OBAMA se omite em relação a estes valores e ideais e uma parte do mundo ainda consegue ficar do lado dele e dizer: TUDO BEM!!!???

Isso é um atraso, é o avanço da barbárie e do chumbo sobre as letras da nossa humanidade!!!

Acordem, antes de virarem escravos e completamente submissos esta ordem mundial destrutiva e nociva a humanidade.

É uma vergonha pensar diferente disto.


  

Nenhum comentário:

Postar um comentário