segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

FILOSOFIA ALEMÃ: ANOTAÇÕES DE FINAL DE ANO 2012

Bom Dia...após algumas horas de pesquisa e leitura no último dia do ano um reencontro com a Filosofia Alemã...nesta ordem: Aberto Magno, Mestre Eckart, Nicolau de Cusa (Krebs),  Leibniz, Kant, Fichte, Schelling, Hegel, Schopenhauer, Marx, Nietzsche, Frege, Husserl, Heidegger, Wittgenstein, Benjamin, Gadamer, Adorno e Horkheimer...800 anos de filosofia...o problema não é filosofar em alemão, o problema é filosofar sem os alemães...uma bela tradição, com seus pares ingleses e franceses....quando se estuda a história da filosofia, se faz uso de um fio condutor temporal para ordenar objetos e ideias que nem sempre são prisioneiras do seu tempo...a mera curiosidade pode ficar bem satisfeita e embevecida com um bom resumo, linear e articulado, mas não se trata disto...a questão principal não é de classificação ou de simplificação das ideias, mas sim de compreensão de sua intensidade, compreensão de um certa constituição do sujeito filosófico no seu contexto próprio de debate e linguagem...nenhum destes filósofos pensou a partir de uma perspectiva exclusivamente pessoal...muitos partiram dos gregos - dos pré-socráticos, outros de alguns que já estão nesta lista e outros de alguns modernos e mesmo estes dialogaram com quase toda a tradição filosófica que os antecedia....uma característica interessante entre eles é uma espécie de grande impulso à totalidade, à uma solução completa e definitiva da filosofia, por mais disfarçada que estejam suas intenções em pequenos ensaios e obras inacabadas ou aparentemente desarticuladas de uma abordagem integral e  orgânica da filosofia...e mesmo aqueles aparentemente mais modestos ou obscuros em suas grandes intenções, carregam sementes de totalidade....parece haver entre eles e em suas obras uma certa dialética interna...e assim, tudo se passa como se fossem membros de uma mesma família....mas são dispares....

domingo, 30 de dezembro de 2012

FÉRIAS? QUEBRE A ROTINA E SAIA DA SUA AGENDA

Antes que alguém venha com as receitas..estou quebrando todas as rotinas...que a única e que a melhor forma de descansar é justamente esta....sem programação....sem agenda...sem relógio..sem hora nem boca para nada...celular on...em modo silenciosos atende e retorna quando quiser...pela desregulamentação das férias e dias de férias e assim vou indo...ontem já foi uma maravilha tomar aquela caipirinha as 16 horas....comer uma coisinha leve...não almoçar e tomar um café na minha querida sogra as 22:30 vendo uma menina de dois anos reinar para não dormir...a Lulú aquela peça linda e maravilhosa de vontade pura...se quiseres planos terás...jo so quiero samba....e RADIO BEMBA SOUND SYSTEM....ulállá....

sábado, 29 de dezembro de 2012

SOBRE ESCOLHAS E CONSEQUÊNCIAS: FELIZ ANO NOVO 2013!!!

Boa tarde

Sempre dei muita atenção para o tema das escolhas na vida da gente e também em sala de aula com os alunos e alunas.

Os adolescentes parecem estar justamente numa época em que as escolhas mais importantes são feitas.

Mas gostaria de dizer algo sobre este tema para contrariar um pouco a lógica geral de que tudo é previsível e que se fizer P logo X se segue.

É que isso me parece uma coisa meio automatizada e bem idiotizada hoje em dia.

Até o Grande Poeta Pablo Neruda - que merece ser citado muito mais pela sua poesia e grande obra do que por um texto daqui ou de acolá - é usado para chavonizar isso por aqui - como vi num post faz pouco.

Mas vamos pensar um pouco mais sobre isto pessoal: 

Creio que as escolhas mais importantes da nossa vida e aquelas que justamente mais merecem nossa atenção, preocupação e também muito juízo são ou podem ser de dois tipos: 1. aquelas que não percebemos que fazemos, mas fazemos, e 2. aquelas cujas consequências são justamente imprevisíveis e incertas.

As primeiras são muito mais frequentes do que parecem e bem comuns, já as segundas são e merecem mais reflexão nossa, porque além de serem imprevisíveis envolvem muitas outras escolhas em sequência e sempre grandes possibilidades e risco também.

Coragem jovens, coragem, porque só vocês podem começar algumas opções que nós adultos já rejeitamos ou já distorcemos ou já seguimos.

Assim desejo que os adolescentes pensem nisto sem medo e sem um pingo sequer de insegurança.

Prestem mais atenção aos sinais e tenham fé.

O fato de poucos escolherem certos caminhos ou de poucos se darem bem nestes caminhos não significa que o caminho é errado, pode significar apenas que ele é difícil e que você terá que se esforçar muito mais do que outros.

FELIZ ANO NOVO E UM PRÓSPERO CAMINHO DE ESCOLHAS PARA TODOS!!!!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

AGRADECIMENTO E DESPEDIDA


Hoje terminou nossa participação na gestão da cultura de São Leopoldo e com isso minha participação nos dois Governos do Vanazzi com vocês.

Agradeço muito a colaboração, amizade, participação e trabalho de todos.

Aprendi muito com vocês. 

Lamento muito a derrota, mas aceito a decisão do povo e sei que deixamos juntos grandes marcas, ações, obras e programas que mudaram a vida da nossa cidade.

Não vejo nenhuma outra forma de garantir um final feliz, a não ser - apesar de tudo, saindo de cabeça erguida e muito orgulhoso desta experiência individual e coletiva que construímos juntos todos os dias destes últimos 8 anos de nossa vida.

Hoje tomei um baita suador para fazer uma tarefa trivial e que envolvia mais gentileza do que obrigação e penso que não poderia ter sido diferente. 

Suamos e trabalhamos muito neste anos todos. 

Eu acompanhei muito de perto o trabalho de muitos e muitas pessoas desta cidade e de fora dela.

Mudamos São Leopoldo sim! São Leopoldo é hoje uma nova cidade.

No meu último contato com o Vanazzi hoje, eu vi nos olhos dele um sinal que nunca tinha visto antes. O sinal da lembrança e da segurança que nós aprendemos a sentir nestes anos todos juntos.

Nestes últimos 17 anos - desde 1996, acompanhei esta longa caminhada dele e do PT de muito perto.

Todos nós mudamos!!!

Mas deixamos muitas lembranças boas.

Afinal, um pequeno símbolo disto é que o nome do Vanazzi e de São Leopoldo já está inscrito lá na China, como nunca esteve antes e temos sim do que nos orgulhar.

Passamos agora a uma outra fase da nossa vida, podemos agradecer todas as agressões, ingratidões, incompreensões e olhar no fundo dos olhos de cada um dos leopoldenses sem nos preocupar se provamos ou não a que viemos.

Ainda chegará o dia em que poderemos contar esta história em toda a sua grandeza e remover toda a vileza que foi aposta contra nós por pequenos interesses, por ambições mesquinhas e também por aqueles que nunca nos respeitaram, mas que somente fizeram um esforço para conviver com nossa gestão, nossos sonhos e nossos ideais.

Muito obrigado!!!   

domingo, 23 de dezembro de 2012

A MEMÓRIA É UM EXCESSO

Estava escrevendo algumas memórias que me sinto impelido a escrever agora a pouco e acabei misturando três focos diferentes em um só. Bem, pensei, ao começar a separar os assuntos e a abrir novos textos para dar uma dimensão digna aos personagens e aos eventos que andam no meu coração misturados e me dei conta de uma coisa: toda memória é no fundo um excesso. E neste caso um excesso de sentimento e emoção. E encontro de amigos e amigas que você admira, estima e que te fazem bem tem esta característica. Você terá esta experiência marcada na memória. No meu caso, em detalhes que talvez pouca importância tenham para outros, mas que do ponto de vista da história e da real dimensão das pessoas que só é reconhecida mesmo no pos mortem, é muito mais importante e haverá alguém que há de olhar para um  excesso de detalhes e perceber a riqueza de cada detalhe e a preciosidade de se guardar, em minhas agendas e em meus neurônios estes detalhes que são simplórios e pouco significativos agora, para qualquer ser trivial, mas altamente relevantes para quem sabe perceber aquilo que realmente importa nesta curta vida que temos.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

PERSONALISMO E FACCIOSISMO: AVALIAÇÕES POLÍTICAS 2012

"...em uma sociedade como a nossa, 
mas no fundo em qualquer sociedade, 
existem relações de poder múltiplas 
que atravessam, caracterizam e constituem 
o corpo social e  que estas relações de poder 
não podem dissociar, se estabelecer, 
nem funcionar sem uma produção, 
uma acumulação, uma circulação 
e um funcionamento do discurso. 
Não há possibilidade de exercício do poder 
sem uma certa economia dos discursos de verdade 
que funcione dentro e a partir desta dupla exigência. 
Somos submetidos pelo poder á produção da verdade 
e só podemos exercê-lo através da produção da verdade." 
Michel Foucault. Microfísica do Poder.

Avaliações, análises e diagnósticos na política possuem em si e trazem consigo propósitos. Mesmo em situações de vitória, as avaliações por mais brilhantes, claras e precisas tem propósitos. Avaliações apresentam motivações sob a camada retórica e também sentimentos que muitas vezes não são tão bem analisadas assim por seus autores. É por isto que alguns autores chamam e confundem discursos políticos com ações. Porque o discurso neste terreno age, faz algo não somente interpreta, descreve ou conceitua. Dá, este discurso, realidade a fatos, cria situações e condiciona as ações dos outros.  Assim, para traçar um paralelo libertador aqui, estamos em uma situação em que quando dizer é fazer, se transforma aqui em dizer com pretensão de fazer.

No caso de derrota nem todos os discursos e fazeres são bem vindos, porque é exatamente nesta situação que você não pode dar nenhum passo adiante partindo somente das pretensões ou das ilusões individuais. A não ser que você pretende andar sozinho ou construir uma perspectiva particular ou um projeto particular. Mas também é preciso entender que nem todo discurso é somente individual, pois também ocorre que alguns discursos aparentemente individuais introduzem de fato pretensões coletivas, ou seja, pretensões de células ou organizações parciais do partido. Talvez tenhamos que ser mais rigorosos aqui na nossa discussão e diferenciar “personalismo” de “espírito de facção”. São, na prática, dois tipos de desvios do projeto coletivo que geram vários desencaminhamentos. Mas é claro que um partido democrático deve chegar em uma boa síntese de todos estes discursos e reduzir ao máximo a ilusão e o auto-engano em seu seio e em suas decisões. Porque é basicamente isto que leva para uma derrota. Por mais maravilhoso que seja o nosso projeto ao se acrescentar a ele a hegemonia de personalismos ou o espírito de facção se engendra a derrota que tivemos. Assim, quando se avalia a coordenação de campanha, os caciques, os candidatos, o slogan, o projeto e as atitudes individuais de cada um devemos ser capazes de olhar sim para os erros em todos nós. Na medida exata de nossas responsabilidades.

Eu adoro falar em renovação também, aliás creio que todos os quadros intermediários gostam disto por sua própria natureza, mas a forma como se fala disto e as pretensões que se apresentam ao tratar disto dizem muito sobre se a renovação é real ou somente de aparência. Não me serve de nada uma renovação que reproduza os mesmos erros anteriores ou que engendre de novo ilusões pessoais e fantasias de grandeza. Não me serve de nada se isto vier a gerar mais degeneração burocrática e maior submissão a uma ordem externa para a qual pouco importam os resultados locais, mas sim a contribuição do local nos resultados regionais ou proporcionais. E nós sofremos disto no último período. Há que se fazer algum esforço para que o PT de São Leopoldo não se resuma em um curral eleitoral para aqueles que querem apenas lavrar votos proporcionais em 2014, sem pensar nas consequências da derrota local ou da dissolução da representação local no cenário estadual e nacional. E percebo nitidamente estas pretensões aqui.  

No nosso caso, em especial, temos que levar em consideração que a própria derrota foi causada por estes desvios – que alguns chamam de personalismo aqui e ali. Mas é preciso, como tentei mostrar aqui, esclarecer melhor o que é o personalismo ai. Não creio que seja possível, como já disse antes, recuperar os prejuízos e perdas do último período sem fazer certas avaliações sobre nossos erros para reconstruir – porque já tivemos isto sim – uma forma de atuação coletiva acertada e que reconstrua a confiança do povo em nosso projeto e nossa forma de atuação. Para isso é preciso cuidar muito o que se diz sim. Porque a unidade é mais necessária do que parece. Mesmo aqueles que olham para a atual circunstância vislumbrando uma oportunidade de ascenção, de substituição de caciques ou de mera vingança, tem ou não responsabilidade sobre o futuro que devemos construir. E nós devemos dizer claramente que propósitos e quais pretensões são cabíveis para o futuro próximo, excluindo sim aquelas que vão nos levar de novo para o facciosismo e o personalismo.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

SEGUNDA POSSE, SEGUNDA CONSCIÊNCIA NA EDUCAÇÃO ESTADUAL:1998-2012

Terminei a batelada de exames e de juntar toda a papelada...quanto aos exames tudo muito bem...quanto aos papéis tudo completamente em ordem...quem guarda tem, e quem guarda direito tem mais rápido...mas considero excessivo tudo isso...imagino tanta coisa que deveria ser avaliada que considero isso tudo muito e pouco ao mesmo tempo..bem mas vamos lá...professor estadual rumo a segunda matrícula...não tenho falado nada de sindicato, nem de partido e nem de governo, porque nunca tinha visto uma situação tão difícil nas três pontas...apesar de termos governo nas três esferas, parece que falta alguma coisa mais para dar certo como todos nós gostaríamos e como todo o povo precisa...ao mesmo tempo, nunca tinha visto as escolas com tantas dificuldades....sou otimista, mas percebo que as mudanças necessárias não tem sido enfrentadas, vejo somente formalistas e tecnicistas, vejo somente os diretores de escola e diretoras, professores e professoras respondendo a demandas externas da mantenedora e tendo muito pouco tempo para cuidar do que lhe é pertinente internamente...o Politécnico, o Concurso, a mudança das Menções, as Avaliações e toda a grande plêiade de tarefas nada mudam na vida dos alunos...e em médio prazo prevejo uma tragédia para o projeto...que parece que ninguém quer ver, encarar e mudar enquanto existe tempo....desejo muito que se salve até 31 de dezembro, alguma coisa...desejo mudanças, mas não vejo sinais e possibilidades de que isto aconteça....assim assisto uma canoa aumentando seus furos....e indo de mal a pior...ninguém consegue entender isto com clareza? é tão inaceitável assim promover uma mudança que salve e reposicione nosso projeto, repactuando as relações com os educadores e educadoras? me custa muito aceitar o rumo que as coisas estão levando....não pode ser somente uma questão sindical isto, nem partidária ou de tendência .....minha segunda posse me parece as vezes minha segunda tomada de consciência....fim da linha meu camarada...é preciso fazer algo novo.....contrariar o método autoritário e construir uma relação satisfatória na educação....

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

VONTADE DE UM VERSUS VONTADE COLETIVA

PENSANDO na vontade coletiva e na vontade geral....a humanidade levou muito tempo para conseguir construir isso....e as vezes ainda estamos muito aquém de exigências universais, superiores e racionais...e eu me preocupo com a democracia quando constrói as suas antíteses individuais...não porque salva alguém...ou porque derrota a maioria, mas porque permite um decidir sozinho contra muitos.....

domingo, 9 de dezembro de 2012

GÊNIOS FALÍVEIS SEGUNDO ADORNO

"Os produtores das obras importantes não são semi-deuses, mas homens falíveis, muitas vezes neuróticos e martirizados. mas a mentalidade estética, que faz tábula rasa do gênio, degenera em artesanato oco e dogmático, em pincelada rotineira." 

Theodor W. Adorno. opus citatis in: TOCHETTO, Daniela Goya.  Julgamentos de Justiça Distributiva em John Raws e Robert Nozick: Uma Investigação Experimental. Dissertação de Mestrado em Economia. Porto Alegre: UFRGS, 2008, p.190.

32 ANOS DA MORTE DE JOHN LENNON

Fazem hoje 32 anos que John Lennon foi assassinado. Foi mais ou menos neste dia que eu decidi talvez 50% das opções da minha vida. para alguns foi somente a morte de um rock star, para mim foi uma mensagem sobre como é que eu deveria viver. E andavamos, eu, Gutia, Rafa e alguns outros amigos escutando Imagine num toca discos a mais de três meses. Além de Alice Cooper: Schools Out.

PEQUENA NOTA A TEORIA DA ESCOLHA QUALIFICADA: TDEQ 15 ANOS DEPOIS

Tendo a desenvolver uma concepção de que qualquer teoria da escolha só é viável quando pressupor escolhas qualificadas ou bem informadas. 

Em 1998, ao apresentar aos alunos do Ensino Médio ( em Campo Bom - Escola estadual de Ensino Médio Fernando Ferrari - logo aonde) o modelo da TEORIA DA ESCOLHA QUALIFICADA (TDEQ) com o intuito de construir uma justificação para a escolha racional entre as diversas opções eleitorais apresentadas, defendi que o máximo conhecimento sobre o passado dos candidatos, os programas de governo e as características dos seus apoiadores e partidos era a única forma de garantir uma escolha racional entre as opções. 

Naquele ano venceu Olívio Dutra para Governador do Estado e Fernando Henrique Cardoso foi reeleito. Pois hoje 15 anos depois, cada vez me aproximo mais desta hipótese que parece trivial e mecânica, lógica e racional. 

Ela pressupõe diversas coisas. 

A primeira e mais importante: nenhum segredo e transparência total. 

Então, parece que vamos ter que aplicar o critério de falsidade ideológica em muita gente, inclusive naqueles que julgam.

ALTRUÍSMO VERSUS EGOÍSMO NO DISCURSO POLÍTICO: A PARTIR DO FILME ENTREATOS (2004) DE JOÃO MOREIRA SALLES

Uma vez observando um discurso político me dei conta de uma coisa que para mim era incrível na época. Fiquei pensando no jogo e na competição entre os instintos ou impulsos altruístas, generosos e benevolentes daquele que discursava e na forma inteligente como ele encobria ou exibia com boas cores seus próprios interesses pessoais, mesquinhos e egoístas ao tratar de suas ambições combinadas com os sonhos daqueles que estavam na audiência. 

Eu pensei, na época, em uma espécie de teoria do equilíbrio, em que a pessoa faria pequenas concessões morais e honestas a si mesmo com um senso de profundo respeito aos seus eleitores, apoiadores e simpatizantes. Em que todos os benefícios pessoais advindos da sua conquista fossem direcionados para o bem comum e se justificassem pela ótima realização de um bem comum. 

Olhando ontem pela primeira vez Entreatos (2004) aquele muito bem feito documentário de João Moreira Salles sobre os bastidores da campanha política que elegeu Lula presidente em 2002, me dei conta de uma coisa muito mais dura e muito mais simples: não existe equilíbrio possível entre estes impulsos altruístas e generosos. Ou você cala sua própria vaidade e egoísmo  no espaço político ou ela vai acabar falando mais alto que qualquer projeto, que qualquer pretensão de generosidade. 

Você, na política, deve assumir sim a máxima generosidade e fazer ela dar as cartas, sem fazer concessão alguma para o seu próprio interesse pessoal ou seu egoísmo. Justamente eles são aquilo que deve ser derrotados para que o bem coletivo seja realizado de forma decisiva e exemplar. Somente quem já domou suas próprias tentações e todas as outras seduções existentes neste meio sabe o que eu estou dizendo aqui. Assim, resta aos que negam esta reflexão ficarem em silêncio, pois que a negação moral do mal feito só é possível mesmo e reconhecida efetivamente no foro interno. 

Da próxima vez que alguém fizer um discurso político vamos experimentar esta análise para ver onde vai parar o sujeito e como ficará o coletivo....

sábado, 8 de dezembro de 2012

A PRAÇA REPUBLICANA QUE COMEMORA O IMPÉRIO


Considerada a data, as condições, o símbolo de sua instalação e o que ela comemora, a Praça do Imigrante pode ser entendida também como elemento simbólico fundamental e de ligação em São Leopoldo de dois grandes períodos da história do Brasil, a saber, o Império e a República.

 No que toca ao Império, o empreendimento de trazer imigrantes europeus de outras etnias para o Brasil tinha o claro objetivo de superar duas dificuldades nacionais. De um lado, romper com o ciclo econômico oligárquico e latifundiário, diversificando a produção nacional com o emprego de mão de obra livre de nível médio e artesanal e, de outro lado, consolidar a ocupação do extremo sul do Brasil com novos sujeitos.

 O ciclo republicano, em 1924, se prepara para superar a república velha, através de uma nova síntese cultural e política, que vem sendo construída pelos novos lideres do PRR. Desta vez com maior participação dos imigrantes e seus descendentes e, também, com a superação necessária dos conflitos regionais no Rio Grande do Sul que construíram, pavimentaram e permitiram as novas bases para as políticas urbanas, modernizadoras e de industrialização do Brasil, apresentadas e desenvolvidas a partir da Revolução de 30.

(excerto do MEMORIAL DE TOMBAMENTO DA PRAÇA DO IMIGRANTE - 27/05/2012)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

GÊNIOS, EXEMPLOS E GRANDES OBRAS

só para constar: 

não conheci nenhum homem ou mulher de grandes obras que não trouxesse consigo um espírito e um gênio muito poderoso e surpreendente a lhe guiar o corpo e a as ações...

muitas vezes indomável...

muitas vezes incompreendido...

com intensa dedicação ao que faz e ao que ama fazer...

e agradeço de ter muitos para me darem os seus exemplos...

nada mais inspirador do que um grande exemplo e o grande impacto de uma poderosa paixão....

O EXEMPLO DE OSCAR NIEMEYER PARA CHICO BUARQUE - OU COMO OS GÊNIOS NOS INSPIRAM?


O EXEMPLO É UMA COISA PODEROSA MESMO - GRANDES HOMENS E GRANDES MULHERES SEMPRE GERAM EM NÓS A VONTADE DE REALIZAR GRANDES PROJETOS E GRANDES OBRAS:

"A casa do Oscar era o sonho da família. Havia um terreno para os lados da Iguatemi, havia o anteprojeto, presente do próprio, havia a promessa de que um belo dia iríamos morar na casa do Oscar. Cresci cheio de impaciência porque meu pai, embora fos
se dono do Museu do Ipiranga, nunca juntava dinheiro para construir a casa do Oscar. Mais tarde, num aperto, em vez de vender o museu com os cacarecos dentro, papai vendeu o terreno da Iguatemi. Desse modo a casa do Oscar, antes de existir, foi demolida. Ou ficou intacta, suspensa no ar, como a casa no beco de Manuel Bandeira. Senti-me traído, tornei-me um rebelde, insultei meu pai, ergui o braço contra minha mãe e saí batendo a porta da nossa casa velha e normanda: só volto para casa quando for a casa do Oscar! Pois bem, internaram-me num ginásio em Cataguases, projeto do Oscar. Vivi seis meses naquele casarão do Oscar, achei pouco, decidi-me a ser Oscar eu mesmo. Regressei a São Paulo, estudei geometria descritiva, passei no vestibular e fui o pior aluno da classe. Mas ao professor de topografia, que me reprovou no exame oral, respondi calado: lá em casa tenho um canudo com a casa do Oscar. Depois larguei a arquitetura e virei aprendiz de Tom Jobim. Quando minha música sai boa, penso que parece música do Tom Jobim. Música do Tom, na minha cabeça, é casa do Oscar." 

(Texto de Chico Buarque em comemoração aos 90 anos de Oscar Niemeyer - 1998)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O QUE É O HOMEM? OUTRA REVELAÇÃO PARA ISMÊNIA

Vidente do Dia: "Uma outra forma de revelar que homem é este querida Ismênia. Você só poderá julgar o caráter de um homem e saber o que um homem realmente é, após ele perder todo o seu poder ou aquilo que ele supunha ser o seu poder..." versão realismo negativo. Para a mui Doce e mui Bela Ismênia.